Setor de contact center vai crescer 3,6% em 2018, estima ABT


O setor de contact center no Brasil vai crescer 3,6% neste ano, em relação a 2017. A previsão foi divulgada hoje (12) pela Associação Brasileira de Telesserviços (ABT). A estimativa é que a receita seja de R$ 13,6 bilhões.

A estimativa, no entanto, não agrada as empresas da área. Entre 2010 e 2015, elas tiveram um crescimento real de 12%. A ABT diz que a tendência foi interrompida há três anos, com a combinação entre crise econômica e insegurança jurídica, que comprometeram as margens das empresas e, por consequência, a retomada dos investimentos.

As margens, que giravam em torno de 3% ao ano até 2015, caíram nos anos posteriores e atualmente giram em torno de 1%. Esse cenário trouxe ainda um dos principais desafios para o setor: permanecer como um dos maiores geradores de empregos no país. Houve uma queda de 6% no número de trabalhadores de 2017 (412 mil) para 2018 (387 mil) nas associadas da ABT.

A associação reclama de ameaças vindas de Brasília. Diz que projetos de lei podem prejudicá-las ainda mais que a conjuntura econômica. “Projetos legislativos que buscam diminuir os horários de ligações, além das decisões do governo federal sobre a reoneração da folha e a reforma do PIS/Cofins, trazem grande insegurança e vêm acompanhados de demissões. Essas incertezas justificam o crescimento tímido esperado para 2018”, afirma Cassio Azevedo, presidente-executivo da ABT.

A estimativa da ABT é de que a mudança na PIS/Cofins acabaria com 120 mil empregos, reduzindo em R$ 1,3 bilhão a arrecadação de impostos e resultando em aumento dos preços dos serviços para o consumidor final. A ABT afirma que 90 mil pessoas devem perder o emprego com a recente entrada em vigor da lei que limita os horários de ligações ao consumidor, no Rio de Janeiro.

Anterior Polícia do Chile desativa servidores de conteúdo pirata de TV distribuído também no Brasil
Próximos Eunício diz que votação do PLC 79 em agosto depende da CCT