Serviços de telecomunicações têm novo desempenho negativo em setembro


Os serviços de informação e comunicação cresceram 0,4% em setembro, na comparação com agosto, e 2,2%, no confronto com igual período do ano passado. No entanto, o segmento de telecomunicações apresentou desempenho negativo em todos os tipos de comparação, mantendo a tendência verificada no mês anterior, como mostra a pesquisa do IBGE, divulgada nesta quarta-feira (14).

De agosto para setembro, os serviços de telecomunicações caíram 0,4%, enquanto os serviços de TIC avançaram 0,1%;os de TI, subiram 1,3% e os de audiovisuais, 1,4%. Na comparação anual, telecomunicações recuaram 1%, enquanto que TIC cresceu 3,1% e TI, 12,3%. Já os serviços de audiovisuais caíram 3,8% entre 2017 e 2018.

No acumulado do ano, o setor de serviços de informação e comunicação recuou 1,2%, com os resultados negativos de 3,4% do segmento de telecomunicações; 2,8% do segmento de audiovisuais e 1% do de TIC. Nesse tipo de comparação, somente o segmento de TI teve avanço de 4,6%.

Nos últimos 12 meses, os serviços de informação e comunicação ficaram negativos em 1%. Novamente o segmento de telecomunicações teve o pior desempenho, com queda de 3,2%. Os segmentos de audiovisuais e TIC também tiveram recuos de 2,8% e 0,7%, respectivamente. Enquanto o segmento de TI aumentou 4,2%.

De acordo com o IBGE, em setembro houve aumento de procura por consultoria em tecnologia da informação; desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis; tratamentos de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na Internet; portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na Internet. Porém, foi registrada queda por serviços de  telecomunicações.

Já o setor de serviços como um todo teve variação negativa de 0,3% frente a agosto e encerrou quatro meses de volatilidade: maio (-3,5%), junho (4,9%), julho (-2,0%) e agosto (1,4%). Em relação a setembro de 2017, os serviços cresceram 0,5%, a segunda taxa positiva seguida desde novembro (1,0%) e dezembro (0,5%) de 2014. O acumulado no ano ficou em -0,4%. Já o acumulado em 12 meses passou de -0,6% em agosto para -0,3% em setembro, a taxa negativa menos intensa desde junho de 2015 (-0,2%).

Anterior Oi fecha trimestre com prejuízo de R$ 1,3 bilhão
Próximos Curitiba faz parceria com startup para mudar espaço urbano