Serviços 3G não pegam na Europa. Nem nos EUA.


Entre os ricos países europeus, só pouco mais de um terço dos assinantes de serviços móveis usam serviços mais sofisticados como o de mensagens multimídia (MMS). Motivo: preço. Mas, nos Estados Unidos, não é o preço que limita o uso desses serviços, também mínimo. Os americanos não sentem necessidade de utilizá-los. Esses são resultados de …

Entre os ricos países europeus, só pouco mais de um terço dos assinantes de serviços móveis usam serviços mais sofisticados como o de mensagens multimídia (MMS). Motivo: preço. Mas, nos Estados Unidos, não é o preço que limita o uso desses serviços, também mínimo. Os americanos não sentem necessidade de utilizá-los. Esses são resultados de pesquisas da Juniper Research, na Europa, e da Harris Interactive, nos EUA.

Ao contrário do que se possa pensar, os serviços 3G estão longe de ter a adesão da maioria dos europeus: apenas 32% dos usuários estão dispostos a pagar por algo mais do que simples serviços de mensagens curtas (SMS). Esse é o resultado de pesquisa da Jupiter Research feita com 3,5 mil assinantes de seis países – Alemanha, França, Reino Unido, Espanha, Itália e Suécia.

O levantamento mostra que, além da voz, os europeus usam seus telefones móveis essencialmente para mensagens e o SMS é, de longe, o mais utilizado – 79% dos assinantes – seguido, de longe, por fotos e envio de mensagens multimídia (MMS), com 28%. Quanto aos serviços multimídia, são usados por adolescentes e adultos jovens, mas sua utilização é relativamente marginal, em relação ao universo de assinantes.

Custo

Na França, a utilização dos serviços está acima da média européia, segundo a Juniper Research: nesse país, 33% dos assinantes estão dispostos a pagar por serviços multimídia. A inexistência de terminais compatíveis é considerado um freio secundário à adoção dos serviços, porque mesmo da pequena fração dos clientes que dispõe de aparelhos com capacidade para acessar serviços multimídia (MMS, jogos, internet, música) usa e paga por esses serviços. Ou seja, conclui o estudo, há pouco interesse pelos serviços, cujos preços ainda são considerados muito caros.

Americanos não ligam

Apesar de todas as funções agregadas às últimas gerações de celulares, os assinantes americanos usam muito pouco seus terminais para baixar videoclipes ou enviar fotos. E muitos sequer enviam mensagens de texto, como mostra pesquisa recente da Harris Interactive.

No universo de 1.332 adultos com mais de 18 anos entrevistados, dos 960 clientes do serviços móvel, 58% nunca usaram mensagens de texto e imagem, nem enviaram fotos. Apenas magros 3% chegaram a mandar um videoclipe; 18% mandaram fotos e 39% usaram SMS.

Resistência

Na avaliação da Harris, o marketing das operadoras wireless está enfrentando pesada resistência de muitos assinantes. E a resistência não está no custo, mas em um fator muito mais importante – a necessidade desses serviços. Tanto é assim que, enquanto apenas 19% dos entrevistados apontam a barreira do preço, uma esmagadora maioria de 73% simplesmente não vê necessidade de usar os serviços.

Por outro lado, não surpreenderam as respostas do grupo de entrevistados com 18 a 39 anos, 69% dos quais usam SMS. Em relação a esse serviço, a pesquisa constatou que seu uso diminui acentuadamente com a idade do assinante: 35% dos clientes entre 40 e 54 anos enviam mensagens de texto, porcentagem que não vai além de 14% dos que têm mais de 55 anos.

O mesmo acontece com fotos (32% no grupo mais jovem, declinando para 13 e 8% entre os mais velhos). Contudo, nem os assinantes mais jovens são muito afeitos a videoclipes: 4% deles informam enviar imagens.

(Da Redação, com agências internacionais)

Anterior TV digital: transição não acontece por decreto. É preciso um plano de governo.
Próximos Anatel: agora, com um conselheiro a menos.