Senado aprova Cadastro Positivo automático e compulsório


Já aprovado na Câmara, o texto segue à sanção presidencial com o argumento de que servirá para ajudar bons pagadores a ter acesso a taxas de juros menores, mas há senadores que duvidem dos resultados pretendidos

O plenário do Senado aprovou hoje, por 66 votos a favor e somente 5 contra, o projeto que torna compulsória e automática a inclusão de todas as pessoas físicas e jurídicas ao Cadastro Positivo (PLP 54/2019), com a criação de um banco de dados sobre informações dos pagamentos em dia e de empréstimos quitados.  Pela proposta, o consumidor que quiser sair terá de solicitar a exclusão.

Já aprovado na Câmara, o texto segue à sanção presidencial com o argumento de que servirá para ajudar bons pagadores a ter acesso a taxas de juros menores. Em vigor desde 2011, o Cadastro Positivo apresenta inscrição optativa. Hoje cerca de 10 milhões de consumidores têm inscrição no sistema gerido por empresas que avaliam o risco de crédito de empresas e pessoas físicas baseadas em históricos financeiro e comercial.

De acordo com o texto aprovado, os dados serão geridos por empresas de crédito, que poderão definir uma nota para cada tipo de consumidor para classificá-los como bons pagadores ou maus pagadores. As empresas poderão fornecer dados para o Cadastro Positivo, assim como as instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central.

O relator da matéria, senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), destacou que o Banco Central se comprometeu a prestar informações aos senadores em até seis meses da criação do Cadastro Positivo sobre a efetividade da medida, resultado de projeto original apresentado pelo ex-senador Dalirio Beber (PSDB-SC).

“A adoção de regras mais explícitas sobre a possibilidade de o cadastrado, tomador de crédito, cancelar sua inscrição no cadastro positivo aumenta a efetividade do exercício de seus direitos constitucionais fundamentais, como são os direitos da personalidade”, aponta o parecer do senador, apontando mudanças feitas na Câmara.

“Esse Cadastro Positivo vem no sentido de dar instrumentos ao Banco Central e instrumentos ao Ministério da Economia para que o spread bancário possa reduzir a taxa de juros no Brasil?”, apontou o senador Eduardo Braga (PMDB-AM).

Já o senador Veneziano Vital do Rêgo (PSB-PB) votou a favor, mas duvida que o projeto resulte em benefícios para os consumidores. “Coloco dúvidas sobre os compromissos das autoridades monetárias, daqueles que estabelecem linhas e acessos de créditos para baixarem os juros”, disse, considerando o Cadastro desnecessário.

Em sentido contrário, o senador Weverton (PDT-MA) criticou a proposta. “Qual é o país do mundo em que o Cadastro Positivo é obrigatório, como vai ser a partir de agora, depois que a gente aprovar essa legislação?”, questionou. Também quis saber um entre os milhões já cadastrados que teve redução de juros.

Anterior Tanure aumenta participação no controlador português da Oi
Próximos Venda de equipamentos de informática e comunicação sobe 8,2%

2 Comments

  1. Mário Pinheiro
    13 de Março de 2019
    Responder

    Acho uma arbitrariedade essa coisa de cadastro positivo obrigatório. Para mim vai de encontro ao livre arbítrio de cada pessoa.

  2. ERNANE LIBOREDO
    14 de Março de 2019
    Responder

    QUEM É HONESTO, TEM O NOME LIMPO, E PAGA SEUS COMPROMISSOS EM DIA, ESTÁ ALEGRE COM ESTA NOTÍCIA!

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *