Senado aprova aumento da potência para rádio comunitária


O plenário do Senado aprovou na noite desta terça-feira (10) o Projeto de Lei (PLS) 513/2017, que aumenta em seis vezes a potência de transmissão para rádios comunitárias. A proposta, que segue para a Câmara dos Deputados, é criticada pelos radiodifusores comerciais.

A proposta estabelece aumento da potência atual de 25 watts para até 150 watts, com altura irradiante não superior a 30 metros e possibilidade de acesso a dois canais específicos em nível nacional para as emissoras em frequência modulada. O relator da matéria, senador Otto Alencar (PSD-BA), destacou que houve acordo com as lideranças partidárias para aprovação do projeto. Antes de iniciada a votação, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, também anunciou a retirada de dois requerimentos para exame do texto por outras comissões.

O autor do projeto, senador Hélio José (Pros-DF), argumenta que o aumento da potência é necessário devido à grande diversidade geográfica do Brasil. Para ele, 25 watts são insuficientes para operação nas áreas de população esparsa, particularmente na zona rural. A ideia é viabilizar o serviço em regiões rurais, nas quais a cobertura de uma única comunidade, com moradias dispersas, exige alcance maior que o atualmente estabelecido. Segundo ele, a atual potência atinge até um quilômetro de raio de cobertura, limitando e restringindo o alcance da rádio, muitas vezes menor do que seu público potencial.

Caberá à Anatel estabelecer a potência autorizada para cada rádio comunitária para preservar a característica da cobertura restrita do serviço. A alteração possibilita a cobertura de múltiplas comunidades, bairros ou vilas pela mesma rádio comunitária, o que desvirtuaria a essência desse serviço, destaca Hélio José.

O senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) disse que o projeto atende a todas as rádios comunitárias espalhadas pelo Brasil. Por sua vez, o senador Cristovam Buarque (PPS-DF) afirmou que o projeto favorece a democratização e a participação popular.

Para a Associação das Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), caso a nova potência se confirme na Câmara, “as interferências serão a regra e não a exceção”. Essa também é a opinião da Anatel que, em parecer, vê prejuízos da propostas para os radiodifusores comunitários já estabelecidos.(Com Agência Senado)

Anterior Brasileiro usa mais chamada por vídeo do que por voz dentro de apps de mensagem
Próximos Leilão da Cemig Telecom é adiado para 8 de agosto