Sem Hélio Costa, participantes da SET criticam WiMAX no canal de retorno.


Hoje pela manhã, o ministro Hélio Costa, das Comunicações, sugeriu a tecnologia WiMAX (banda larga metropolitana sem fio) como uma alternativa viável para o polêmico canal de retorno da TV digital no Brasil. Sua afirmação foi feita na abertura do congresso da Sociedade de Engenharia de Televisão e Telecomunicações (SET), que começou hoje, 23, em …

Hoje pela manhã, o ministro Hélio Costa, das Comunicações, sugeriu a tecnologia WiMAX (banda larga metropolitana sem fio) como uma alternativa viável para o polêmico canal de retorno da TV digital no Brasil. Sua afirmação foi feita na abertura do congresso da Sociedade de Engenharia de Televisão e Telecomunicações (SET), que começou hoje, 23, em São Paulo. À tarde, sem sua presença, a proposta acabou sendo criticada ou minimizada pelos presentes.

“O canal de retorno é problema das teles”, declarou Fernando Bittencourt, diretor de Engenharia da Rede Globo. Para ele, esse assunto se tornou um “mito” supervalorizado. “Ora, o canal de retorno será o que estiver disponível em cada cidade”, acrescentou. De seu lado, o vice-presidente da Ericsson do Brasil, Jesper Rhode, confessou não confiar 100% na cobertura geográfica do WiMAX para utilização como canal de retorno da TV digital. “Não vejo isso como algo muito eficiente, com garantias”, explicitou. Para ele, outras tecnologias wireless, como o WCDMA, podem ter um grau de confiabilidade mais alto nesse quesito.

A crítica mais dura à sugestão do ministro foi do cientista chefe do C.E.S.A.R (Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife), Sílvio Meira. Nem tanto pela sugestão do WiMAX em si, mas pelo fato de o ministro ter emitido uma opinião que não seria de sua seara. “Intromissões desse tipo são temerosas, inclusive sob o aspecto do investidor internacional. Essas definições sobre espectro cabem à Anatel”, afirmou Meira, que acha que o WiMAX anda sendo vendido (inclusive por Hélio Costa e a mídia) como “solução messiânica” para todos os males.

“Bem vindo”

A discussão ocupou um dos painéis do evento na tarde de hoje. No final, a antiga questão do modelo de negócios, de, por exemplo, como incrementar receitas com canal de retorno – e como dividí-la entre radiodifusores e teles, voltou à baila. A posição da Globo continua firme de que o modelo seja o mesmo da TV aberta analógica. “Vamos estimular o uso do canal de retorno, mas ainda não sabemos como ganhar dinheiro com isso ”, disse Bittencourt.

“Para desespero” dos radiodifusores, nas palavras de Sílvio Meira, o cientista alertou que a TV digital não é mais simplesmente TV, mas sim um computador e um instrumento de comunicação muito mais complexo (dando a entender que o modelo de negócios inevitavelmente será mudado). “O que a rede de TV vai fazer quando der um pau (típico dos PCs) na hora da mocinha beijar o noivo durante a novela? Quando um monte de códigos aparecerem na tela? Seja bem vindo ao mundo do software embarcado”, concluiu ele, irônico, olhando na direção a Bittencourt, da Globo.

Anterior Google Brasil: ação do MPF pode até fechar a empresa no país.
Próximos IPTV Américas oferece IPTV com MPEG-4 a operadoras da América Latina