Sem CPMF, desoneração do software não vai sair.


Sérgio Rezende, ministro de Ciência e Tecnologia, disse hoje que a desoneração da folha salarial das empresas de tecnologia da informação (TI) está condicionada à aprovação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). A declaração do ministro ocorreu durante sua participação no seminário sobre Exportação de Software e Serviços e Formação de Recursos Humanos em …

Sérgio Rezende, ministro de Ciência e Tecnologia, disse hoje que a desoneração da folha salarial das empresas de tecnologia da informação (TI) está condicionada à aprovação da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira). A declaração do ministro ocorreu durante sua participação no seminário sobre Exportação de Software e Serviços e Formação de Recursos Humanos em TI.

De acordo com Rezende, todos os projetos do ministério, mesmo os previstos no PPA (plano plurianual) e aqueles que integram os fundos setoriais correm risco de contingenciamento sem a CPMF. "Há duas semanas, conversei com o ministro Guido Mantega sobre a proposta de desoneração, e ela está em pauta, mas no momento encontra-se em banho-maria, pois, se a CPMF não for aprovada, o governo terá de fazer contenções no orçamento”, declarou.
 
Rezende é a favor da desoneração da folha de pagamento das empresas de software. O ministro alertou que o aumento da contratação de mão-de-obra esperada com essa medida poderá provocar escassez de mão-de-obra qualificada. Para combater esse problema, ele informou que está em curso no MCT um projeto piloto para a formação de RH em TI. 

Anterior Net abre o pregão da Nasdaq
Próximos 3G da Claro chega na Grande São Paulo