Segundo Anatel, 51% das conexões fixas têm velocidades entre 512 Kbps e 2 Mega


O Brasil fechou 2010 com 15,4 milhões de acessos fixos à internet, segundo dados divulgados pela Anatel. O crescimento, em relação a 2009 que somou 12,9 milhões de conexões, foi de 19,04%. A região Sudeste concentra 9,6 milhões de acessos, seguida da região Sul, com 2,8 milhões de acessos e da região Nordeste, com 1,4 milhão de conexões. A região Centro-Oeste ocupa o quarto lugar, com 1,2 milhão de acessos e a Norte, em último, detém apenas 333,9 mil conexões. No total, a agência avalia que as conexões atenderam a 50,3 milhões de pessoas.

De acordo com os dados da Anatel, a maioria das conexões contratadas em 2010 (51% ou 7,8 milhões de acessos) foi com velocidades entre 512Kbps a 2Mbps. Em segundo lugar, estão os acessos em banda larga com velocidades entre 2Mbps a 34Mbps, que são usadas por 3,1 milhões de conexões ou 20% do total de acessos. Os acessos com velocidades entre 64Kbps a 512 Kbps somaram 3 milhões ou 19% do total. E as velocidades até 64% ainda são usadas em 1,5 de conexões ou 10% do total. Já os acessos com velocidades acima de 34Mbps caíram para 50,6 mil, ou menos de 1% do total.

Entre as tecnologia, a xDSL continua predominando com 59,23% das conexões, apesar de ter reduzido a participação em relação a 2009, que correspondia a 66,58% dos acessos. Em 2010 aumentaram as conexões por cabo, passado de 17,43% registradas no ano anterior para 23,17%; e as por wireless, que chegaram a 5,12% ante os 3% obtidos em 2009. O uso de conexões via satélite caiu de 1,28%, em 2009, para 0,93% em 2010. Outras tecnologias respondem por 11,72% dos acessos.

A Anatel ainda informou o número de empresas autorizadas para prestarem o Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), que em 2010 chegaram a 2.498, com crescimento de 38,62% em relação ao ano anterior. Em janeiro de 2011, as prestadoras autorizadas chegaram a 2.524. (Da redação)

Anterior Instituto Meta deve realizar pesquisa sobre serviços de telecom
Próximos STJ eleva indenização pelo uso de software sem licença