Screen Service do Brasil expande operações para América do Sul


A fabricante de transmissores para TV digital e analógica Screen Service do Brasil
está expandindo suas operações para os países da América do Sul que já adotaram o padrão nipo-brasileiro ISDB-T. De origem italiana, a empresa tem uma unidade em Pouso Alegre, Minas Gerais, onde vai produzir os transmissores para atender aos países vizinhos. A meta da fabricante é ter até o final deste ano pelo menos um equipamento em operação em cada país que adotou a tecnologia nipo-brasileira e em três anos ter 25% de todo seu faturamento proveniente desses países.
 
Como o mercado de transmissores para TV não é de escala, a empresa está preparada para atender a demanda, seja qual for o volume, diz Julio Prado, diretor a Screen Brasil. A unidade instalada em Pouso Alegre, em funcionamento desde 2009, tem quatro mil metros quadrados de área e teve investimentos de R$ 15 milhões.

Prado estima que a TV digital vai demandar nos próximos seis anos (quando se dará o apagão analógico) o mesmo volume de equipamentos consumido pela TV analógica nos últimos 60 anos. “Nosso último ano fiscal já foi muito bom, acima das expectativas”, comenta o executivo. A unidade brasileira da Screen Service encerrou seu ano fiscal, em 30 de setembro, com faturamento de R$ 32 milhões e 35% de participação no mercado de transmissores para TV digital. Para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 70% a 100% no volume de vendas.
 
Para entrar nos países vizinhos, a empresa credenciou agentes locais para dar suporte às vendas e prestar ao cliente local assistência técnica no menor tempo possível. “Tecnologia e preço são fundamentais, mas o suporte técnico ágil e eficiente será o ponto chave de fixação da marca nesses países”, considera Prado. Segundo ele, na Argentina, Chile e Peru os representantes já estão trabalhando com as principais emissoras locais.

PUBLICIDADE
Anterior Revisão do marco regulatório de mídia ficará para próximo governo
Próximos Anatel critica atuação de sua procuradoria em pesquisa