Satélite Embratel Star One D1 inicia operação comercial


Satélite da Embratel lançado em 21 de 12 de 16
Satélite da Embratel lançado em 21 de 12 de 16

A operadora de satélites Embratel Star One inicia hoje, 20, a operação comercial do Star One D1. Ele ocupa a posição orbital de 84° W e está equipado com as Bandas C, Ku e Ka e demandou investimentos de cerca de US$ 400 milhões por parte da empresa. Sua cobertura abrange todas a América Latina, inclusive Brasil.

O satélite foi lançado em dezembro. Está equipado com Bandas C, Ku e Ka para permitir novos serviços corporativos, distribuição e contribuição de vídeo e backhaul de celular via satélite. O Star One D1 é o maior satélite já construído pela Embratel Star One e o nono satélite da frota da empresa. Faz parte da quarta geração, designada como Família D, e complementa a estrutura já composta por cinco satélites em órbita geoestacionária (Star One C1, C2, C3, C4 e C12) e por três em órbita inclinada (Brasilsat B2, B3 e B4).

“Vamos atender regiões que precisam de interconexão de redes celulares via satélite, além de prover diversos serviços corporativos, tais como interligação de empresas à Internet”, diz Gustavo Silbert, Presidente da Embratel Star One.

O novo satélite possui 28 transponders (receptores e transmissores de sinais) em Banda C para sinais de voz, TV, rádio e dados, incluindo internet. Possui 24 transponders na Banda Ku para a oferta de serviços de transmissão de vídeos, além de internet e telefonia para localidades remotas. Está equipado com cerca de 300 transponders equivalentes em Banda Ka, que permitem interligar pontos remotos ao backbone celular via satélite e a transmissão de dados em altíssima velocidade.

Com a Banda Ka, ampliará também o uso de aplicações corporativas em praticamente todo o território brasileiro e criará uma nova estrutura de backhaul de telefonia celular para toda a América Latina, integrando o backbone do Grupo América Móvil com suas redes periféricas, criando, assim, uma infraestrutura de telecomunicações ainda maior.

Criada em dezembro de 2000 como uma subsidiária da Embratel, possui uma frota com nove satélites. Além do Star One D1, controla cinco satélites em órbita geoestacionária (Star One C1, C2, C3, C4 e C12) e três em órbita inclinada (Brasilsat B2, B3 e B4). O controle e monitoramento da frota são feitos a partir do Centro de Guaratiba (RJ). (Com assessoria de imprensa)

Anterior Cayla, a boneca proibida na Alemanha e a privacidade dos dados na internet
Próximos Proposta de mudança de PPB de telejogo e joystick no ar