Satélite de órbita baixa: os fracassos do passado não preocupam


Satelite c4 embratel star oneApesar do fracasso das experiências anteriores, onde a mais famosa foi a da constelação Iridium para telefonia móvel via satélite, os operadores de satélite estão animados com as novas experiências em desenvolvimento de satélite de órbita baixa. Foram unânimes em responder afirmativamente à pergunta provocadora do coordenador do painel “As inovações que vem com o satélite”, Luiz Tenório Perrone, consultor da Oi. Tanto os representantes de empresas envolvidos em projetos de satélites de órbita baixa, caso da Hughes e da Telesat, como os que estão fora.

A Hughes integra o consórcio OneWeb, que inclui Qualcomm, Virgin Group, Airbus Group, Bharti Enterprises, Coca-Cola, Grupo Salinas e Intelsat. O sistema da OneWeb pretende lançar 648 satélites em órbita terrestre baixa (LEO, sigla em inglês) para permitir a entrega de serviços de banda larga de baixa latência de alta qualidade, fixos e móveis, e com uma oferta combinada com redes celulares, com operação a partir de 2019. Já a Telesat lança no próximo ano dois satélites protótipos de órbita baixa. E a empresa O3B, controlada pela SES, opera 12 satélites.

Na avaliação de Mauro Wainberg, gerente geral da Telesat no Brasil, a tecnologia está evoluindo em direção aos satélites com alta taxa de transferência na tecnologia HTS e ao de órbita baixa, que permitem um custo menor por Megabit e menor latência. Mas ele acredita que essas duas tendências, que estão chegando para ficar, vão conviver com a linha tradicional. “Tudo depende da aplicação”, observa.

Para Márcio Thiago, da YahSat, o momento é mesmo de disrupção no mundo do satélite, e o maior desafio é como vai chegar ao cliente, no caso do atendimento de banda larga de massa, como vai dar o suporte. Como a YahSat não tem rede própria, o desafio será montar uma rede de parceiros bem treinada e eficiente, modelo que adota na África. Este não é um problema para a Hughes, como relata Marcelo Rezende, pois ela tem uma estrutura verticalizada. Na América do Norte, conta com um milhão de assinantes e fornece do satélite à VSAT.

A Hispamar vem crescendo ano a ano, apesar das dificuldades econômicas do país e da região, e Sergio Chaves, diretor, se mostra otimista em relação à demanda potencial da banda larga para a banda Ka. “Não é uma demanda que conhecemos. Mas como vamos chegar em muitos lugares onde não há oferta, acho que vai acabar acontecendo o mesmo fenômeno do DTH na TV paga”, ponderou.

Anterior CCJ aprova audiência pública para debater PL 3453
Próximos Novas aplicações criarão demanda para os nove cabos submarinos que chegam ao Brasil até 2018, afirmam operadores