SAS espera condições favoráveis para abrir centro de desenvolvimento no Brasil


 

Em coletiva de imprensa realizada hoje (1º) em São Paulo, Márcio Dobal, presidente do SAS Institute para o Cone Sul, declarou que não descarta abrir um centro de desenvolvimento e tecnologia no país. Apesar do foco da empresa em pesquisa, investindo mais de 20% de seu faturamento em P&D, o único centro deste tipo na região fica na Argentina. “A análise inicial que eu fiz sobre a possibilidade de implementar um equipamento semelhante no Brasil não foi muito animadora”, explica.

 

Segundo o executivo, além de questões tributárias pouco atrativas, a falta de mão-de-obra qualificada no país também dificulta a implementação de um centro de P&D. Uma estratégia da companhia para suprir essa demanda são convênios com universidades brasileiras, como a a parceria do SAS com a Faculdade Getúlio Vargas. “Como presidente da empresa estou satisfeito com o centro da Argentina, mas enquanto brasileiro gostaria que esse processo fosse feito aqui no país”.

 

Big Data

Num contexto de big data, em que a disponibilidade de espaço fez com que muitas empresas criassem bancos de dados gigantescos, o SAS oferece uma ferramenta chamada High-Performance Analytics, que permite a análise e triagem de dados, criando referências únicas e evitando multiplicidades na base de clientes das empresas. “Não somos utópicos a ponto de ofertar uma base única”, diz Dobal. “Mas oferecemos às empresas a capacidade de ter um gerenciamento rápido e mais eficaz sobre esse grande volume de informação. Isso é fundamental para as companhias de telecomunicações, por exemplo, que em meio a fusões e aquisições acabam acumulando diversos bancos de dados”.

O SAS também desenvolve softwares para necessidades específicas de clientes. “Criamos uma solução para a Claro com o objetivo de identificar a propensão dos clientes a mudar sua operadora, assim podemos redirecionar ações de marketing e diminuir o churn”, explica. “Entendemos que as telecomunicações também são à sua maneira uma rede social. Buscamos identificar os clientes mais valiosos, tanto do ponto de vista do retorno financeiro que proporcionam para a empresa, quanto pelas diversas conexões que esse usuário possui, sendo que nesse caso a operadora se beneficia das tarifas de interconexão”.

aiMatch

Também foi anunciada hoje a aquisição pelo SAS da aiMatch, fornecedora de gestão e venda de anúncios online. “Achamos que há um mercado a ser explorado, aplicando nossas ferramentas analíticas e estatísticas à publicidade na internet”, explica. “Assim podemos proporcionar uma segmentação de públicos, por meio de análises comportamentais, atendendo à demanda dos anunciantes”.

Anterior Claro puxa faturamento da SAS Institute no Brasil, que avançou 30% em 2011
Próximos Idec lamenta escolha da PricewaterhouseCoopers como entidade auferidora da banda larga