São Paulo tem potencial de US$ 11 bilhões em benefícios com meios de pagamento digitais


shutterstock_ bannosuke_mobilepaymentSe a capital paulista alcançasse o mesmo nível de uso dos 10% da população que mais utilizam os pagamentos eletrônicos, como cartões e pagamentos móveis, os benefícios econômicos líquidos somados seriam maiores que US$ 11 bilhões.

Esse valor estaria distribuído em consumidores (somados), com mais de US$ 1 bilhão por ano, os estabelecimentos comerciais, com US$ 7 bilhões e mais de US$ 3 bilhões para o governo local.

Essa é uma das conclusões do estudo independente encomendado pela Visa à Roubini ThoughtLab onde é mostrado o impacto econômico do crescente uso de pagamentos digitais em grandes cidades do mundo. O levantamento estima que o aumento no uso de meios eletrônicos poderia gerar um benefício líquido de até US$ 470 bilhões por ano nas 100 cidades estudadas, quando consideradas em conjunto – o equivalente a cerca de 3% do PIB médio de todas essas cidades.

PUBLICIDADE

Para o estudo“Cidades sem dinheiro em espécie: Compreendendo os benefícios dos pagamentos digitais” a Roubini ThoughtLab escolheu seis das 100 cidades analisadas (Lagos, Bangkok, São Paulo, Tóquio, Chicago e Estocolmo) para serem avaliadas com mais profundidade. São Paulo ganhou protagonismo por compor o quadro de cidades “Em Amadurecimento Digital”, mesmo patamar em que Brasília se encontra.

No cenário estudado em São Paulo, em 15 anos a cidade registraria um aumento de 0,23% no PIB por ano e 106 mil novos postos de empregos formais. As empresas gastam, em média, 2% de sua receita por mês com o recebimento de pagamentos não digitais. Essa percentagem aumenta para 3% em algumas cidades, a capital paulista incluída.

Ainda em São Paulo, as empresas de pequenos, médios e grandes portes tiveram ganhos substanciais quando passaram a aceitar pagamentos digitais, 51%, 30% e 27%, respectivamente.

A mesma situação projetada para Brasília, se toda a população alcançasse o mesmo nível de utilização dos pagamentos digitais que os 10% que mais utilizam possuem, os benefícios somados seriam maiores que US$ 2 bilhões.

Desse total, US$ 1,4 bilhão iriam para os estabelecimentos comerciais, US$ 0,5 bilhão seria destinado para o governo e US$ 0,2 bilhão para os consumidores da cidade.

(Com assessoria de imprensa)

Anterior Anatel adia por mais seis meses decisão sobre franquia na banda larga fixa
Próximos CGI.br alerta Congresso para urgência de legislação que proteja dados pessoais