Santanna espera que operadoras tenham “bom senso” e não entrem na Justiça


O presidente da Telebrás, Rogério Santanna, disse hoje que espera que as operadoras de telecomunicações tenham "bom senso para não judicializar" a reativação da Telebrás, que será gestora do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). "Eu acredito que elas (operadoras) vão sair da zona de conforto e serão players importantes no processo", acrescentou o executivo, …

O presidente da Telebrás, Rogério Santanna, disse hoje que espera que as operadoras de telecomunicações tenham "bom senso para não judicializar" a reativação da Telebrás, que será gestora do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL). "Eu acredito que elas (operadoras) vão sair da zona de conforto e serão players importantes no processo", acrescentou o executivo, em entrevista coletiva após uma apresentação sobre o PNBL para gestores públicos, feita hoje durante o 16º Congresso de Informática e Inovação na Gestão Pública (Conip), que se realiza em São Paulo.

A meta do PNBL é levar o acesso em banda larga para mais 23 milhões de pessoas, chegando a 40 milhões de conexões em 2014 (o número considera o acréscimo de cerca de 5 milhões de acessos móveis). "Eu estou otimista com esta meta e mais: penso que as operadoras vão se mexer e esse número será bem maior", afirmou o presidente da Telebrás. Ele disse ainda que "o choro é livre" e que as operadoras não baixam o preço dos serviços para não "canibalizar o próprio negócio". Na apresentação, ele mostrou que 95% do mercado nacional concentra-se em quatro provedores, todos com rede de transporte, justificando assim a entrada da Telebrás como uma rede neutra.

O presidente da Telebrás destacou que o foco inicial do plano é criar infraestrutura de banda larga para criar mercado e estimular a concorrência. O governo pretende vender links de 512 Kbps no atacado, a R$ 230, para que pequenos provedores repassem essa velocidade na ponta, com mensalidade de R$ 35, com imposto. "Na última milha teremos um parceiro e a Telebrás poderá atuar somente se não houver nenhum provedor interessado em levar o acesso aquela região", explicou. O PNBL não fixa uma velocidade para a banda larga, porque isso muda e Santanna acredita que com o crescimento natural da velocidade ela será de 2 Mega em 2014.

Licitação

O presidente da Telebrás disse que em 60 dias a estatal inicia o processo do edital para a compra de equipamentos para a contrução de anéis ópticos no Sudeste e Nordeste. Segundo ele, essas regiões foram escolhidas porque, na região Sudeste estão os principais data centers do governo e, a Nordeste é a região onde há a maior carência de infraestrutura de banda larga.

Anterior Padrão nipo-brasileiro da TV digital pode ser adotado por El Salvador
Próximos Transit Telecom moderniza rede e amplia oferta de serviços