Santanna atribui sua saída à resistência em atender interesses das teles


O ex-presidente da Telebrás, Rogério Santanna, atribuiu a sua substituição na estatal à sua resistência em atender aos interesses das teles. Após participar do início da reunião do Conselho de Administração da estatal, que oficializou o nome de Caio Bonilha na presidência da companhia, nesta quarta-feira (1º), ele afirmou que conviveu cinco anos com o ministro Paulo Bernardo, no Planejamento, quando esteve à frente da SLTI (Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação) e não teve dificuldade. “Mas, à medida que o trabalho do PNBL ia se aproximando dos interesses das empresas de telecomunicações do Brasil, a minha relação com o ministro foi se deteriorando, acho que há uma relação quase direta aí”, ressaltou.

Santanna negou que sua saída tenha sido motivada por suas críticas ao corte de recursos para a estatal, o que teria constrangido o governo, como foi bancada por alguns jornais. Porém, destacou que as prioridades de governo se veem na contabilidade e não no discurso. “Se não há recurso, perde prioridade”, disse.

Segundo Santanna, seu afastamento foi oficializado com a leitura da carta do ministro Paulo Bernardo, em que destacava a necessidade de promover maior integração entre a estatal e o MiniCom. Ele disse que não pode afirmar se houve a apresentação dos ajustes à Telebrás, além da sua substituição, porque participou apenas de parte da reunião.

Sobre o novo presidente, Caio Bonilha, Santanna disse que, por já trabalhar na empresa – ocupava a diretoria comercial – ele conhece profundamente o PNBL e não vê dificuldades na sua condução. “Basta que o que foi programado, os investimentos que foram programados, a construção do backhaul e do backbone, sejam feitos nos próximos anos e que isso de fato sirva para reduzir o preço final do serviço”, completou.

Santanna informou que ainda não tem planos para o futuro. “Agora é o momento de descansar, relaxar, depois vamos examinar as possibilidades”, disse. Ele terá de cumprir quarentena de quatro meses, caso decida atuar na iniciativa privada.

Anterior Bonilha descarta atuação da Telebrás no varejo
Próximos Coletivo Intervozes pretende entrar com ação judicial contra “coronelismo midiático”