Samsung quer inteligência artificial em todas as coisas conectadas


Companhia anunciou, na última semana, iniciativa Ambience, que pretende dotar sensores domésticos da capacidade de receber comandos da Bixby, e fala em levar inteligêcia artificial a cada dispositivo individualmente.

samsung-dj-koh
DJ Koh, presidente da divisão de comunicações móveis da Samsung, durante conferência de desenvolvedores da empresa

A Samsung anunciou na última semana a união de todas as suas plataformas de internet das coisas em uma só. Assim, os aplicativos Samsung Connect, para gestão de dispositivos, Smartthings, linha de interruptores, e a plataforma Artik, que tem módulos e ferramentas em nuvem, passam a fazer parte da divisão Smartthings.

A unidade, por sua vez, continua sob o guarda-chuva de DJ Koh, presidente da unidade de comunicações móveis da companhia. Segundo ele, a união de todas as plataformas tem intenção de reduzir a fragmentação do mercado de IoT.

Coisas inteligentes

O executivo falou, durante conferência de desenvolvedores ocorrida nos Estados Unidos, de um novo conceito que a fabricante sul-coreana deseja emplacar: o do “pensamento conectado”. Pelo discurso do executivo, depois da conexão em rede dos objetos que formam a internet das coisas, vem o uso de dispositivos munidos individualmente por inteligência artificial.

O motor cognitivo dentro de cada aparelho ou sensor inteligente será a Bixby 2.0, defendeu. A ferramenta de inteligência artificial desenvolvida pela Samsung equipa os celulares mais sofisticados da marca. Em breve, será adicionada a todos os produtos da empresa, de notebooks a televisores, de visores de realidade virtual, a refrigeradores.

Para acelerar a adoção desse “pensamento conectado”, a Samsung vai incentivar o desenvolvimento de novos produtos através de uma iniciativa chamada Ambience. A qual prevê dotar cada interruptor, sensor, lâmpada, objeto conectado, da capacidade de atender a comandos enviados através da Bixby. A Bixby, por sua vez, roda sobre nuvem da Samsung.

Anterior Telemedicina: países lusófonos vão compartilhar nossa tecnologia
Próximos Cobrança indevida continua liderando as reclamações nos Procons