Sacramento reforça posição contra quinta operadora em Minas


Como havia antecipado a newsletter Tele.Síntese Análise, a Telemig Celular promete ir todas as instâncias possíveis (entre elas, a Anatel e mesmo a justiça comum) a fim de evitar a entrada da Vivo no mercado mineiro. “Não temos culpa se alguma operadora fez uma escolha tecnológica errada no passado. Não vejo este mercado com cinco …

Como havia antecipado a newsletter Tele.Síntese Análise, a Telemig Celular promete ir todas as instâncias possíveis (entre elas, a Anatel e mesmo a justiça comum) a fim de evitar a entrada da Vivo no mercado mineiro. “Não temos culpa se alguma operadora fez uma escolha tecnológica errada no passado. Não vejo este mercado com cinco players”, disse Ricardo Sacramento, o presidente da companhia, em coletiva de imprensa hoje, 15, em São Paulo. O executivo frisou ter o apoio de presidentes de outras empresas como Luiz Eduardo Falco (Telemar/Oi) e Mario César de Araújo (TIM) na questão.

A Vivo tem planos de adquirir licenças na faixa de 1,9 GHz para completar sua cobertura (e operar) em Minas Gerais e no Nordeste.  No entanto, Sacramento disse que não tomou ainda nenhuma providência em relação à questão. “Ainda é muito cedo para fazer alguma coisa”, explicou.

Novo emprego, novos serviços

O avanço tecnológico acaba por eliminar postos tradicionais de trabalho. Ricardo Sacramento citou o exemplo clássico do ascensorista de elevador, em extinção. O executivo prometeu dar sua contribuição criando um novo  tipo emprego, o “homem cartão” . Será uma espécie de vendedor de créditos virtuais. Na rua, ele abordará as pessoas e, numa transação rápida e informal, venderá os minutos para os clientes – usando o SMS para concretizar a operação praticamente em tempo real. Haverá um exército deles em Minas Gerais, disse o presidente da Telemig.

Segundo Sacramento, este tipo de ação é inovadora e reforça o perfil moderno da empresa. Assim como outro serviço, recém-lançado. Trata-se do Talk, voltado para o público jovem e “tribos” em geral.  O serviço terá uma assinatura fixa, em que se fala sem limite com outros usuários Talk. O foco de venda será no pré-pago e terá parceria com a Motorola. O cliente compra um kit com o aparelho e chip que pode ser habilitado pela internet. O pagamento pode ser feito por cartão de crédito, boleto bancário ou na conta de pós-pago. 

Anterior Telemig: lucro cai e receita é afetada por melhora operacional da Vivo
Próximos NEC do Brasil investe R$ 8 milhões em centro de serviços