Rezende não comenta compra da GVT, mas lembra que ela não possui frequência e é autorizada


O presidente da Anatel, João Rezende, não quis comentar a possível compra da GVT pela Telefônica, anunciada nesta quinta-feira (28), pela francesa Vivendi. Segundo ele, a agência não foi comunicada de nenhuma operação. “Só soubemos das movimentações por fatos relevantes, mas não há nada de concreto para ser analisado”, disse.

A Vivendi, que controla a GVT, optou pela proposta da operadora espanhola, em detrimento da oferta feita pela Telcom Italia, que controla a TIM. Ontem, a Oi também anunciou a intenção de comprar a participação da Telecom Italia na TIM. Mas a avaliação do mercado é de que essa compra será dividida com a Telefônica e a Claro.

Rezende não quis antecipar qualquer análise regulatória das operações em curso, mas lembrou que a GVT é uma companhia autorizada e que não detém frequências. Ele disse que essas movimentações mostram que o mercado de telecomunicações está forte, que desperta interesses.

O presidente da Anatel não viu também consequências dessas movimentações para a realização do leilão da faixa de 700 MHz, que está marcado para o dia 30 de setembro.

Anterior Com GVT, Vivo passa a liderar banda larga fixa
Próximos Teles brasileiras movimentam mercado acionário aqui e na Europa