Rezende defende que contrato de gestão substitua contrato de concessão


 

Preocupado com as amarras legais que impedem o desenvolvimento das telecomunicações no país e com a necessidade de estimular os investimentos privados já que não há poupança pública para fazer frente a essa tarefa, o conselheiro da Anatel, João Rezende, lançou uma série de ideias para debate no encerramento do 25º Encontro Tele.Síntese, realizado hoje em São Paulo pela Momento Editorial. A mais ousada delas, e bastante polêmica, é a alteração do marco legal com a introdução de contratos de gestão em substituição aos contratos de concessão.

Para Rezende, é preciso vencer o ciclo vicioso formado pelo atual modelo decorrente da privatização, baseado na regulamentação por serviço, onde cada player defende o seu território de olho no retorno do investimento e na rentabilidade do serviço, fortalecendo os obstáculos à convergência dos serviços. “Não se autoriza a IPTV para não afetar a TV a cabo e permitir as concessionárias fazerem a convergência em suas redes; de outro lado, as concessionárias não querem a regulamentação da voz sobre IP para não comprometerem a telefonia de longa distância”, observou, pontuando apenas dois dos impasses colocados na mesa.

Para Rezende, se o Brasil não começar a vencer as amarras jurídicas e regulatórias vai se atrasar muito no setor de telecomunicações, comprometendo a infraestrutura do século XXI. Embora não tenha uma proposta acabada de marco regulatório, o conselheiro é simpático à instituição da licença única para o setor de telecomunicações, a exemplo do modelo inglês, por entender que caberá a cada player desenvolver o serviço ou serviços que forem convenientes para o seu modelo de negócios.

Sem reversibilidade
Entre as ideias lançadas por Rezende para debate, está o fim da reversibilidade à União dos bens da concessão. Ele lembrou que hoje, no Brasil, o único serviço prestado em regime público é a telefonia fixa cujos bens são reversíveis. Apesar desse universo restrito, a reversibilidade, e a falta de clareza sob o que efetivamente cobre, limita os investimentos, é justificativa para as concessionárias não quererem mudar o conceito de telefone fixo ampliando sua capacidade além de 64 kbps, o que permitiria fazer nele a transmissão de dados. “As barreiras legais e o fantasma da reversibilidade estão atrasando o país”, constata Rezende. O fim da reversibilidade é uma ideia que considera que deva ser estudada, pois em 2025, quando vencem as concessões, o serviço telefônico fixo comutado, tal como definido hoje, terá muito pouco mercado frente aos novos serviços.

Com o fim da reversibilidade seria possível trocar o contrato de concessão por contrato de gestão, onde a União estabeleceria, não só para a telefonia fixa como para os serviços considerados de interesse público, as condicionantes de defesa dos interesses da sociedade, como os de universalização e massificação de serviços. Segundo o conselheiro, esse é um debate que tem que ser realizado para que o país possa ter, a médio prazo, um marco regulatório aderente ao cenário convergente. “Se não fizermos isso, vamos ser atropelados”, alerta.

Anterior Compartilhamento de espectro surge como uma nova tendência
Próximos Conselheiro não quer unbundling para redes de alta capacidade