Rezende defende para LTE critérios diferentes do leilão da 3G


O Tele.Síntese passa, a partir de hoje, a contar com uma nova seção, a TV.Sintese que apresentará aos leitores debates e mesas redondas em formato de vídeo. O programa de estreia reuniu o presidente da Anatel, João Rezende, o diretor de redes da Telefônica/Vivo, Leonardo Capdeville, o diretor de inovação da Oi, Pedro Ripper, e o gerente de tecnologia da informação da PromonLogicalis, Lucas Pinz.

No debate ficou claro que não existe um caminho único para melhorar a qualidade das redes 3G, mas há várias alternativas tecnológicas que devem ser usadas dependendo do tipo de demanda. Também houve consenso que a cobertura geográfica da rede 3G tem que ser acelerada, e que há demanda para dados em telefonia móvel mesmo em cidades pequenas. As divergências ficaram por conta da introdução da quarta geração de telefonia móvel no Brasil, a LTE. Rezende garantiu que o governo está convencido da importância de introduzir esta tecnologia, que não vai adiar o leilão da frequência de 2,5 GHz, previsto para abril, mas reconheceu que o cenário internacional demanda cautela. Em resumo, defende um modelo de leilão diferente daquele da 3G, com metas de cobertura mais limitadas.

Para assistir ao debate, dividido em cinco blocos e seis vídeos (o primeiro bloco tem duas partes), é só clicar aqui.

Anterior Furukawa cresce 15% no Brasil em 2011 com banda larga
Próximos Claro gasta R$ 420 mi no upgrade da rede 3G+ e vai investir R$ 3,5 bi em 2012