Resultados de IBM, Intel e Microsoft indicam demanda forte em TI


As projeções otimistas feitas pela IBM e os resultados positivos da Intel e da Microsoft para o último trimestre sugerem que as grandes empresas estão deixando de lado o nervosismo quanto ao crescimento econômico e ampliando os gastos com tecnologia, segundo a agência de notícias Reuters. Já o Wall Street Journal destacou que, apesar do ritmo menor de crescimento da receita das empresas no trimestre – tradicionalmente o mais forte do ano para o setor de tecnologia –, as projeções de investimentos das companhias mostra que o impacto das inundações das principais fábricas de discos rígidos da Tailândia e dos efeitos da economia mundial fraca sobre as vendas de PCs não será tão grande.

 

A IBM, quarta maior companhia mundial de tecnologia e líder em serviços de TI, registrou alta de 11% no lucro do quarto trimestre de 2011, enquanto sua receita avançou de US$ 29 bilhões para US$ 29,5 bilhões. Os países BRIC foram destaque do crescimento da empresa no período, e a companhia projetou um crescimento de 10,5% para o lucro de 2012.

 

A Intel, por sua vez, teve uma receita 21% maior no quarto trimestre, para US$ 13,9 bilhões, enquanto seu lucro superou expectativas com uma alta de 6%. A companhia, maior fabricante de processadores do mundo, anunciou ainda planos ambiciosos de investimento, elevando seu capex de 10,7 bilhões no ano passado para US$ 12,5 bilhões em 2012, apesar do alerta de que os efeitos da crise na oferta de discos rígidos continuarão durante todo o primeiro semestre.

 

Os resultados da Microsoft, no geral, se enquadraram às expectativas, com o crescimento em operações com servidores e ferramentas como o Office e o videogame Xbox compensando a fraqueza nas vendas de seu principal produto, o sistema operacional Windows, que recuaram 6% em seu segundo trimestre fiscal, levando seu lucro a registrar uma leve queda no período. A receita da companhia, no entanto, avançou 5% para US$ 20,9 bilhões.

 

“Os resultados parecem em geral favoráveis”, disse à Reuters o analista da JMP Securities Alex Gauna. “Por enquanto, pelo que vemos na tecnologia, parecemos ter deixado para trás o mau momento, e as coisas parecem a caminho de melhorar. Passamos pelo pior em termos de eliminação de estoques excessivos e estamos diante de um panorama de demanda melhor”.

 

Segundo a agência de notícias, o único ponto negativo entre as empresas de tecnologia que divulgaram seus balanços na quinta-feira (19) foi o Google, cujos resultados trimestrais ficaram bem aquém das expectativas otimistas causadas pelo forte desempenho do varejo online na temporada de festas de fim de ano, o que resultou em queda de 9% nas ações da companhia.

 

“As expectativas quanto ao Google eram exageradas, em larga medida porque os investidores não percebem bem o que acontece fora dos Estados Unidos”, disse Jordan Rohan, analista da Stifel Nicolaus. “A América do Norte manteve a força, mas existem partes do mundo nas quais há forte pressão econômica”, acrescentou, mencionando como exemplo as medidas de austeridade europeias. (Da redação, com agências internacionais)

Anterior Acessos fixos de banda larga chegam a 17,9 milhões
Próximos Brasil fecha 2011 com 12,7 milhões de assinantes da TV paga