Renda dos serviços de TIC recua para 7,6% em outubro, diz IBGE.


O setor de serviços registrou no Brasil um crescimento nominal de 8,8% em outubro de 2013, na comparação com igual mês do ano anterior, inferior à taxa observada em setembro (9,7% revisado) e superior à de agosto (6,6%). Os Serviços de tecnologia da informação e comunicação – TIC, que abrangem os serviços de telecomunicações e de tecnologia da informação, registraram variação de 7,6%, ligeiramente menor que a variação anotada no mês passado, de 8%, informa a pesquisa do IBGE, divulgada nesta quarta-feira (18).

A análise da série dos últimos 12 meses (novembro/2012 a outubro/2013) revela que a taxa de crescimento de outubro ficou no mesmo patamar das taxas de novembro/2012 e dezembro/2012 (ambas com 8,7%) e junho/2013 (8,8%), inferior, porém, às taxas registradas em abril/2013 (11,6%), janeiro/2013 e setembro/2013 (ambas com 9,7%) e julho/2013 (9,1%). O crescimento nominal acumulado no ano ficou em 8,5% e o acumulado em 12 meses, em 8,5%.

A Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor de serviços no país, abrange as atividades do segmento empresarial não financeiro, exceto os setores da saúde, educação, administração pública e aluguel imputado (valor que os proprietários teriam direito de receber se alugassem os imóveis onde moram).

Os resultados acumulados no ano indicam que nos 10 meses de 2013, o crescimento nominal em relação ao mesmo período de 2012 situou-se no patamar de 8,5%. Os Serviços de informação e comunicação registraram crescimento de 7,9%, mesmo patamar da taxa observada em setembro (8,0%) e superior à taxa de agosto (4,8%).

Os Serviços audiovisuais, de edição e agências de notícias registraram crescimento de 9,7%. O segmento de Serviços de informação e comunicação representou 30,7% em termos de contribuição relativa no mês, com 2,7 pontos percentuais para a composição do índice geral.(Da redação)

Anterior FiberHome aposta em 120 novos projetos de FTTH com ISPs e avalia PPB local
Próximos Cade teria dado prazo de 18 meses para Telefónica resolver situação na TIM