Relatório da 4G Americas aponta limitações do SMS para serviços de emergência


Um relatório da 4G Americas, associação setorial da indústria sem-fio, divulgado hoje (25) mostra que o envio de mensagens de texto (SMS) para serviços de emergência (como 911, nos Estados Unidos, ou 190, no Brasil) não é confiável, embora tenham sido enviadas 1,56 trilhão de mensagens por meio de SMS somente nos Estados Unidos, em 2009. “O SMS está sujeito a uma série de limitações e deficiências, e por isso não representa um meio apropriado para comunicações de emergência, especialmente em situações com risco de vida”, disse Chris Pearson, presidente da 4G Americas. Segundo ele, a indústria está trabalhando para desenvolver uma solução confiável sem voz para entrar em contato com os serviços de emergência e que não seja baseada em SMS.

A entidade argumenta que o aplicativo foi projetado como um serviço em segundo plano, depois de ligações de voz. “Além disso, os problemas e limitações para comunicações de emergência através de Multimedia Messaging Service (MMS), que normalmente incluem texto, fotos e clipes de vídeo, se assemelham aos problemas e limitações de comunicações emergenciais baseadas em SMS”, diz o relatório divulgado pela associação. “O SMS foi projetado e implementado para utilizar a capacidade temporariamente sem uso das redes, por isso as operadoras sem-fio sempre descreveram os níveis de serviço/confiabilidade como ‘apenas o melhor esforço’ ou equivalente”, justifica, acrescentando ainda que não é um serviço de comunicação em tempo real. “As mensagens SMS são do tipo armazenar e encaminhar, e por isso sua entrega pode sofrer atrasos”. (Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Informatica tem lucro de US$ 22,5 milhões no terceiro trimestre
Próximos Empresas nacionais de TICs querem maior participação nos negócios da Copa