Reino Unido adia leilão 4G mais uma vez por disputa entre operadoras


O Reino Unido está entre os países europeus mais atrasados na implementação da tecnologia móvel de quarta geração, segundo o jornal The Guardian, e o atraso deve se agravar ainda mais com um novo adiamento do primeiro leilão de frequências 4G do país para o final de 2012. A agência reguladora das telecomunicações britânica, Ofcom, informou nesta sexta-feira (7) que não deve cumprir o prazo anterior fixo para a venda do espectro e o secretário da Cultura, Jeremy Hunt, marcou uma reunião com as quatro maiores operadoras do país para negociar um novo edital.

Enquanto Alemanha, Itália, Espanha e Suécia já completaram a venda de suas frequências 4G, e a França teve seu primeiro leilão no mês passado – e até o Brasil já prepara um leilão para abril de 2012 – o Reino Unido adiou o processo pela terceira vez este ano. O país, que sediará os Jogos Olímpicos no ano que vem e já recebeu alertas de diversas operadoras móveis afirmando que chegarão ao limite da capacidade de seus redes no fim de 2012, planejava leiloar os primeiros lotes de espectro 4G em 2009, mas disputas com operadoras e a troca do governo em 2010 acabaram adiando os planos para este ano e, depois, para 2012.

O edital rejeitado, que previa a venda de lotes das frequências de 2,6 GHz e 800 MHz em meados de 2012, incluía a garantia de uma fatia mínima para a maior e menor operadoras do país: Everything Everywhere, da T-Mobile, e Three, da Orange. Essa proteção foi criticada por concorrentes, e um novo edital deve ser discutido com o governo no dia 21 de novembro.

Com as redes sobrecarregadas, a expectativa era de que as novas frequências poderiam ser usadas para fazer o offloading do tráfego de dados. O espectro de 800 MHz, de transmissão mais eficiente, só estará disponível a partir de 2013, quando o Reino Unido completar a transição da TV analógica, que atualmente usa a frequência, para a TV digital. (Da redação, com agências)

Anterior Ministério do Trabalho aprova plano de qualificação de trabalhadores em telecom
Próximos Receita de software como serviço crescerá 23,5% na AL