Reguladores portugueses divergem sobre oferta da Sonaecom para compra da PT


A Anacom (Autoridade Nacional das Comunicações de Portugal), embora não tenha a palavra final sobre a oferta de compra da Portugal Telecom pela Sonaecom, cuja aprovação depende da ADC (Autoridade da Concorrência), não concordou com as condições para a aprovação da operação estabelecidas pela ADC. Conforme o noticiário internacional, a Anacom emitiu seu parecer ontem, …

A Anacom (Autoridade Nacional das Comunicações de Portugal), embora não tenha a palavra final sobre a oferta de compra da Portugal Telecom pela Sonaecom, cuja aprovação depende da ADC (Autoridade da Concorrência), não concordou com as condições para a aprovação da operação estabelecidas pela ADC. Conforme o noticiário internacional, a Anacom emitiu seu parecer ontem, 28, alegando que a operação proposta pela compradora e aceita pelo órgão de defesa da concorrência iria diminuir a concorrência no mercado de telefonia móvel, já que haveria a fusão das operadoras Optimus e TMN.

Além disso, a reguladora setorial alega também não concordar com a sua exclusão no processo de desenvolvimento, acompanhamento e fiscalização da operação.

O prazo legal para que a ADC decida sobre a oferta pública da Sonaecom para a aquisição da Portugal Telecom (uma das donas da Vivo, operadora de celular brasileira) termina em meados de dezembro.
( Da Redação, com agências internacionais)

Anterior Anatel pode flexibilizar regras para uso do espectro
Próximos 3Com assume o controle da joint-venture com a Huawei