Regulador de telecom do Reino Unido vai fiscalizar conteúdo em redes sociais


By Pixabay

O governo britânico anunciou nesta semana que vai ampliar as atribuições da Ofcom, a autoridade reguladora do setor de telecomunicações. A autarquia passará a fiscalizar e impor sanções a empresas digitais que disseminem conteúdos nocivos na internet.

Passariam ao escrutínio da agência grupos como Facebook, Google, Snapchat e Twitter. A autoridade poderá multar as empresas caso constate que facilitaram, ou não agiram quando solicitadas, a disseminação de conteúdos violentos, de abuso infantil ou cyber-bullying. Poderia até mesmo ordenar a prisão de executivos de empresas que desrespeitarem suas ordens.

Por enquanto, não há definição sobre como a Ofcom exerceria as novas atribuições. No entanto, o presidente da autoridade soltou comunicado colocando o órgão à disposição para trabalhar com o governo para regular as redes sociais e proteger as pessoas online.

Entre as propostas analisadas, a agência não poderia exigir a derrubada de conteúdos online, mas poderá mandar as empresas digitais publicar termos claros sobre que tipos de conteúdo e comportamento são tolerados em suas plataformas. Aquelas que permitem conteúdos violentos, devem deixar claro que o fazem. Aquelas que proíbem, deverão adotar formas de coibir o compartilhamento. A Ofcom teria, então, o papel de verificar se as empresas seguem os próprios princípios.

As empresas deverão ainda ter formas para prevenir o compartilhamento de conteúdos ilegais. Caso usuários consigam publicar tais conteúdos, as plataformas deverão ser capazes de remover tais conteúdos rapidamente.

Conforme o jornal britânico The Guardian, qualquer empresa que permita o compartilhamento de conteúdo gerado pelos usuários deve ser afetada pelas novas regras. Todas as empresas de internet ficariam obrigadas a publicar, anualmente, relatório de transparência explicando que tipo de conteúdo nocivo retiraram de circulação. Também há previsão para que alguns sites tenham sistemas de verificação de idade, a fim de impedir o acesso por crianças a sites pornográficos.

Empresas de jornalismo levantaram preocupações quando à possibilidade de o governo acabar censurando comentários de leitores em suas notícias, mas o governo negou e disse que empresas tradicionais de mídia serão excluídas da nova legislação. (Com agências internacionais)

Anterior Relator mantém extinções de fundos setoriais com poucas exceções
Próximos Claro lidera pesquisa sobre satisfação dos consumidores em 2019

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *