Reforma cambial na Venezuela pode favorecer exportação de celulares


A adoção, recém anunciada pelo governo da Venezuela, de um sistema com dois tipos de taxas de câmbio, pode favorecer a indústria brasileira de celulares, que exporta para o país vizinho. A avaliação é do presidente da Abinee, Humberto Barbato, que vê na medida a possibilidade de a indústria brasileira de eletroeletrônico ser tratada em …

A adoção, recém anunciada pelo governo da Venezuela, de um sistema com dois tipos de taxas de câmbio, pode favorecer a indústria brasileira de celulares, que exporta para o país vizinho. A avaliação é do presidente da Abinee, Humberto Barbato, que vê na medida a possibilidade de a indústria brasileira de eletroeletrônico ser tratada em igualdade de condições com a empresa local que produz celulares, uma joint venture entre a chineza ZTE e o Estado venezuelano. Na reforma cambial, o governo estabeleceu duas taxas (na primeira, para produtos essenciais, o dólar sobe de 2,15 para 2,60 bolívares) e, na segunda taxa, para os produtos não essenciais, como veículos, eletrônicos e aparelhos de telecomunicações, o dólar valerá 4,30 bolívares, uma desvalorização de 50% do bolívar.

"Se todas as empresas forem tratadas em igualdade de condições na relação cambial e houver divisas disponíveis no país para importar, a indústria brasileira pode-se beneficiar", disse ao Tele.Síntese Humberto Barbato, esclarecendo que, antes do anúncio da reforma cambial, havia uma taxa de câmbio diferenciada para a estatal importar peças eletrônicas. "No entanto, precisamos esperar alguns dias para termos claro se a nova política será aplicada para toda a indústria", ressalta.

De acordo com os dados da Abinee, de janeiro a outubro de 2009, o setor eletroeletrônico exportou US$ 335,6 milhões para a Venezuela — desse montante, as exportações de telecom somaram US$ 126,5 milhões. Na comparação com igual período de 2008, as exportações do setor eletroeletrônico para a Venezuela registraram queda de 47,7%. Em celulares, a queda foi ainda maior na comparação dos primeiros dez meses de 2009 versus 2008. Neste ano, as exportações de telefones celulares para a Venezuela somaram US$ 331,7 milhões, volume que teve queda de 64,2% em 2009, para US$ 118,6 milhões. (Da redação)

Anterior Arpu das celulares continuará caindo, prevê consultoria.
Próximos Intel supera previsões e lucra US$ 2,3 bi no trimestre