Redução de imposto deve vir com queda na taxa de interconexão, defende Costa.


O ministro das Comunicações, Hélio Costa, defendeu hoje, em audiência no Senado Federal, que as operadoras de telefonia celular reduzam as suas tarifas de interconexão (VU-M) em contrapartida ao esforço do governo de reduzir os impostos federais e negociar a queda dos impostos estaduais para a impplementação do Plano Nacional de Banda Larga, que deverá …

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, defendeu hoje, em audiência no Senado Federal, que as operadoras de telefonia celular reduzam as suas tarifas de interconexão (VU-M) em contrapartida ao esforço do governo de reduzir os impostos federais e negociar a queda dos impostos estaduais para a impplementação do Plano Nacional de Banda Larga, que deverá estar concluído no fim de janeiro de 2010.

Segundo o ministro, as taxas de interconexão brasileiras estáo entre as mais altas do mundo – enquanto na Índia elas custam US$ 0,02 por minuto, no Brasil elas alcançam US$ 0,20 -. "Alegava-se que essas taxas eram importantes para que a telefonia celular chegasse em todo o país. Agora,temos 170 milhões de celulares e tecnologia 3G. É o momento das empresas também colaborarem", argumentou Costa.

Banda H

O ministro avisou ainda que a venda da última frequência de 3G disponível no Brasil – a banda H – será feita para um novo competidor. Para contemplar o pleito dos atuais operadores,que alegam que precisam de mais frequência para ampliar a oferta da banda larga no país, Costa assinalou que a Anatel já lançou a consulta pública para a faixa 2,5 GHz, que será, em sua grande parte, destinada para o celular. "Além disso, em 2016 a banda da TV analógica voltará integralmente para a União, que poderá destiná-la também para a banda larga celular", salientou.   

Anterior CPM Braxis oferece vagas para analistas de sistemas
Próximos Senado deve referendar ainda hoje Valente para a Anatel