Redução da tarifa de interconexão do celular é positiva, diz Gontijo


O presidente da Oi, Bayard Gontijo, reagiu aos comentários do mercado de que a empresa que dirige está com desempenho ruim. “A Oi não é uma companhia doente, como falam os competidores”, retrucou ele na conferencia para a apresentação dos resultados de 2014. Ele reforçou que a Oi apresentou aumento das receitas do celular, que subiu, no quarto trimestre, 4,1% em relação ao  mesmo periodo de 2013, para R$ 1,808 bilhão, ou mais 9,9% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

Segundo ele, esta recuperação de receitas não se deve apenas à simplificação dos planos de serviços da Oi, ou à racionalização dos preços do mercado em geral (todas as celulares apresentaram recomposição de valores no último trimestre do ano) mas também à forte queda dos valores da VU-M (tarifa de interconexão) que está sendo promovida pela Anatel. A redução da taxa de terminação favorece as menores empresas, por que desestimula as ligações on net, assinala.

Conforme a Oi, a VU-M, que custava R$ 0,36 em 2009, chegou em 2014 a valer R$ 0,16. Este ano ela será de R$ 0,10 até alcançar, em 2019, apenas R$ 0,02 centavos. O corte nas taxas de terminação (MTR, em inglês),  na Europa, provocaram o sensível aumento de market share das menores operadoras e perda de mercado das incumbents. Movimento que ele acredita que acontecerá também no Brasil favorecendo a Oi, a quarta colocada.

Pauta regulatória

O executivo afirmou ainda que espera que os investimentos a serem feitos mediante o acordo do TAC (que troca multas por Capex) sejam iniciados no próximo ano, com validade de quatro anos. A Oi irá entregar seus projetos até abril e a Anatel tem até o mês de outubro para validar ou rejeitar os projetos, quando se imagina assinar todos os contratos até dezembro.

Segundo ele, além do TAC a pauta regulatória da empresa com a Anatel e o governo envolve a reversibilidade dos bens; a renovação dos contratos de concessão (que expiram em 2025), com uma possível antecipação desta renovação; e o novo Plano Nacional de Banda Larga que está em elaboração pelo Ministério das Comunicações.

Ele disse que a Oi tem perto de sete mil propriedades e está  discutindo na Anatel quantos e quais imóveis são reversíveis à União e quais poderiam ser também vendidos para a capitalização da empresa.

Anterior Dinheiro da venda da PT ficará no caixa da Oi
Próximos Cruz é o novo VP de vendas para AL da Ericsson