Redes NB-IoT e Cat-M da Claro terão abrangência nacional


A Claro Brasil vai ativar em breve suas redes NB-IoT e LTE Cat-M para internet das coisas. Conforme Raquel Aguiar, coordenadora de IoT da Claro, a empresa está realizando a modernização de seus sites (torres) em todo o país.

São 19.373 estações radiobase que estão recebendo tecnologia 4,5G, NB-IoT e LTE Cat-M. No momento, 60% da rede móvel já foi atualizada. A meta é terminar 2019 com 80% desses sites renovados.

Além da mudança de equipamentos (a tele contratou Ericsson para cuidar do Sul, Huawei para Centro-Oeste e parte do Sudeste, e Nokia para Norte e Nordeste), a Claro está realizando o refarming do espectro de 1,8 GHz. Esta frequência é usada em redes 2G em todo o país, mas está aos poucos sendo destinada para ampliar a capacidade das redes de quarta geração.

“Estamos desligando aos poucos os sites 2G. Desligamos apenas após estudos que indicam que naquele local o 2G ficou obsoleto [sem usuários]”, garantiu a executiva hoje, 2, durante o Fórum de Operadoras Alternativas, realizado em São Paulo.

Conforme os dados da Anatel, a Claro já é uma das maiores operadoras de M2M, o precursor do IoT. São 6,2 milhões de clientes. A maioria diz respeito à ativação de POS. Em IoT, há ao menos 600 mil veículos conectados.

Com as novas redes a Claro (via Embratel) pretende abarcar ao menos quatro verticais: agronegócio, gestão de frotas, saúde e cidades inteligentes, com soluções end to end.

A operadora está homologando dispositivos de diferentes parceiros, a fim de prepara o lançamento de serviços completos, inclusive usando tecnologia de eSIM (eUICC) na conversão de equipamentos projetados para redes de fora, que por algum motivo sejam migrados para o Brasil.

A Claro também está expandindo sua rede fixa residencial em 37%. Esta rede terminou o ano com 204 cidades atendidas, e alcançará 280 ao final de 2019. Já o backbone da companhia encerrou 2018 com 204 mil km de extensão, e conta com modernização feita principalmente por Nokia e Cisco.

Anterior Oi faz acordo com Oracle e migra TI para nuvem privada
Próximos Assespro quer menor tributação aos investidores-anjo e data centers