Redes gerenciadas pela Ericsson superam 1 bilhão de usuários no mundo


A Ericsson atingiu um marco importante em sua jornada como fornecedora de serviços gerenciados, o número de usuários nas redes gerenciadas ultrapassou 1 bilhão. Em um mercado em que a concorrência em equipamentos é grande, com presença cada vez maior de companhias asiáticas, o avanço dos contratos de serviços gerenciados é relevante para a saúde financeira da companhia. No ano passado, a receita deste segmento cresceu 20% para US$ 3,77 bilhões, e representou 25% de todos os serviços oferecidos pela companhia, além de 10% da receita total. 

O bom momento na área de serviços gerenciados da Ericsson foi destaque durante a a apresentação dos resultados no primeiro trimestre do ano, período em foram assinados 21 contratos, sendo apenas 8 de revisão e ampliação. Durante todo o ano de 2012, a companhia assinou 52 deles, sendo 19 de revisão e ampliação, o que indica a sustentabilidade do crescimento nesta área. 

“Essa proporção de participação dos serviços gerenciados dentro da Ericsson tende a crescer, uma vez que as operadoras deslocaram o foco do corte de custos simplesmente e querem melhorar a experiência do cliente final, ao mesmo tempo em que as redes estão cada vez mais complexas, algo que deve se acentuar com a implantação do 4G”, afirmou Gustavo Andrade, diretor de serviços gerenciados da Ericsson.

Há 15 anos trabalhando a oferta de serviços gerenciados, a Ericsson aposta também na América Latina para seguir reforçando sua posição nesse segmento. Na região, a empresa possui 18 clientes e 52 acordos comerciais, incluindo um com a Telefônica. No Brasil, o primeiro contrato de serviços gerenciados foi fechado em 2002, quando assinou um contrato com a Brasil Telecom, de forma que a maturidade da unidade de negócio por aqui torna otimista a perspectiva de avanço por aqui. “Por o Brasil ter começado muito cedo, está super maduro. É uma tendência que está caminhando muito rápidamente”, afirmou Andrade.

A região se destaca nesse segmento ao expandir o escopo desde serviços gerenciados para planta interna e externa da operadoras até o gerenciamento de Centros de Operações de Rede (NOC, sigla em inglês para Network Operations Center), redes de TI e IPTV das operadoras.

A Ericsson investiu mais de US$ 1 bilhão em ferramentas, métodos e processos para a entrega de serviços e estabeleceu Centros Globais de Serviços na Romênia, México, Índia e China, que entregam serviços gerenciados remotamente.

 

 

Anterior MCTI divulga aceleradoras selecionadas no programa Start-Up Brasil
Próximos Lucro da PT cai 52% no primeiro trimestre do ano