Receitas da Claro foram as que mais cresceram na América Móvil


A América Móvel – que mantém operações no Brasil, México, Colômbia, Chile, Argentina, Paraguai, Uruguai, Equador, Peru, América Central e Estados Unidos – encerrou o semestre deste ano com 107,8 mihões de clientes, tendo adicionado a sua base 7,2 milhões no segundo trimestre e 14,5 milhões nos seis primeiros meses. A holding, controlada pela mexicana …

A América Móvel – que mantém operações no Brasil, México, Colômbia, Chile, Argentina, Paraguai, Uruguai, Equador, Peru, América Central e Estados Unidos – encerrou o semestre deste ano com 107,8 mihões de clientes, tendo adicionado a sua base 7,2 milhões no segundo trimestre e 14,5 milhões nos seis primeiros meses. A holding, controlada pela mexicana Telmex, encerrou o semestre com receitas de 106,6 bilhões de pesos, aumento de 26,8% em relação ao mesmo período do ano passado.

No segundo trimestre deste ano, as suas receitas totalizaram 55,9 bilhões de pesos (7,9% a mais do que o trimestre anterior e 31,6% que o mesmo período do ano passado). E o destaque deste desempenho ficou com a Claro, a operadora brasileira, que registrou um aumento de receitas de 11,2%, o maior entre todas as subsidiárias.

O Ebitda (ganhos antes de impostos e depreciações) do semestre chegou a 38,7 bilhões de pesos, e no segundo trimestre ele somou 20,4 bilhões de pesos, 67,1% maior do que o mesmo período do ano passado e 11,1% mais alto do que o primeiro trimestre. A margem do trimestre ficou em 36,4%. Os lucros operacionais do trimestre somaram 13,8 bilhões de pesos, quase o dobro do mesmo período do ano passado, e o lucro líquido foi de 10,8 bilhões de pesos 32,8% mais altos do que o mesmo período de 2005. A dívida caiu para 44 bilhões de pesos, contra os 56,2 bilhões de dezembro de 2005.

Claro
A Claro reduziu sensivelmente seu prejuízo operacional no segundo trimestre, para R$ 171 milhões, frente aos R$ 547 milhões de prejuízo no primeiro trimestre do ano. A receita aumentaou 8,2% frente ao mesmo período de 2005, e somouR$ 1,822 bilhão. Nos primeiros seis meses do ano, a operadora brasileira somou R$ 3,319 bilhões, ou 7,7% a mais que o mesmo período do ano passado. O Ebitda do semestre atingiu R$ 464 milhões.
Em seu balanço, a America Movil ressalta que a rápida expansão da base (a empresa adicionou outro 1,5 milhão de clientes no segundo trimestre) se deu com uma sensível redução do custo de aquisição, o que possibilitou que a empresa, mesmo quase que dobrando o número de aquisições frente ao 1º Tri, mantivesse praticamente inalterado o Ebitda, que atingiu R$ 231 milhões. O Arpu (conta média) da operadora brasileira também se manteve constante (R$ 24,00) e o churn (perda de cliente) caiu para 2,4%.( da redação).

Anterior A Nokia joga pesado no campo do software livre
Próximos Copom projeta maior queda na tarifa de telefonia