Receita da Nextel Brasil cresce 50%


A NII Holding informou nesta quinta-feira (28) que registrou uma receita operacional de US$ 1,75 bilhão no segundo trimestre, 29% maior que a receita do mesmo período de 2010. A companhia também elevou sua base de clientes em 20%, para 9,8 milhões. No Brasil, sua controlada Nextel aumentou a receita em 50%, de US$578,5 milhões no segundo trimestre de 2010 para US$869,2 milhões, e registrou crescimento também em sua base de clientes, para 3,7 milhões.

A NII manteve sua projeção de 1,7 milhão de clientes novos em 2011, apesar de ter adicionado apenas 382 mil novos clientes em sua base no último trimestre. “Embora nosso crescimento da base de clientes no segundo trimestre tenha ficado um pouco abaixo de nossa meta para o semestre, nós tomamos medidas que acreditamos irão melhorar nossa produtividade de vendas na segunda metade do ano”, afirmou Gokul Hemmady, vice-presidente e diretor financeiro da NII, em comunicado divulgado pela empresa.

No Brasil, a Nextel adicionou 204,6 mil novos clientes no segundo trimestre, um ligeiro aumento em relação ao mesmo período de 2010. A receita média por cliente subiu de US$60 para US$70, acima da média global da companhia, que foi de US$51 (Arpu). No México, segundo maior mercado da operadora, com 3,5 milhões de usuários, esse valor passou de US$47 para US$48.

O lucro operacional da companhia ficou em US$301 milhões. A operação brasileira representou boa parte desse resultado, registrando um lucro operacional de US$198,2 milhões no trimestre. A NII também elevou sua meta para a receita no ano dos US$6,6 bilhões divulgados em fevereiro, e agora espera fechar 2011 com uma receita de US$7,1 bilhões.

A NII destacou seus investimentos na América Latina, especialmente no Brasil e no México, que ficaram com US$210 milhões do total de US$304 milhões investidos pela companhia na instalação de redes 3G em seus mercados. A Nextel venceu o último leilão de frequência de 3G realizado no ano passado pela Anatel. (Da redação)

Anterior Switch off da TV analógica no Japão é exemplo para o Brasil
Próximos Mercadante diz que trabalha para ampliar a inovação no país