Receita com roaming vai cair 7% até 2017, no mundo


A Juniper Research divulgou hoje, 15, projeções para a evolução da receita das operadoras de telecomunicações com o roaming – a cobrança feita ao usuário que usa o celular em outra rede móvel. Segundo a consultoria, até 2017, o faturamento com o roaming vai cair 7% no mundo. Naquele ano, este mercado vai movimentar cerca de US$ 52 bilhões.

A culpa da queda recai sobre os “roamers silenciosos”, aqueles usuários que viajam para outros países e preferem comprar um chip local ou recorrer apenas ao WiFi para usar dados ou fazer chamadas VoIP. A estimativa da consultoria é que esse público seja, atualmente, 80% a 90% dos usuários em viagem.

As operadoras da União Europeia são as que vão sofrer mais. As regulações que prevêem a criação de um mercado comum digital pretende tarifar a cobrança do roaming, o que poderá derrubar a receita com este serviço em 28%.

O remédio para esta perda de receita será a oferta de mais serviços de dados. Segundo o autor pesquisa,  Nitin Bhas, “as operadoras terão de trabalhar  com provedores de conteúdo e agregadores ainda mais para oferecer serviços inovadores valorizados pelos usuários”.

O estudo aponta que, com a redução dos preços na Europa, América do Norte e Ásia, especialmente a China, serão os maios mercados de romaing do mundo. A América Latina continuará a ser o menor mercado para o roaming do mundo, segmentando-se o globo nas regiões Ásia, Europa Ocidental, América do Norte, África e Oriente Médio, Resto da Europa. (Com assessoria de imprensa)

Anterior App da Anatel ganha recursos colaborativos
Próximos Celular já é responsável por 17% das transações do banco Itaú

1 Comment

  1. Vagner Ornelas
    15 de dezembro de 2015

    O conceito de roaming está ultrapassado, estamos na era do Whatsapp, Voip e OTT´s. Poucas pessoas se submetem a pagar os valores absurdos de roaming internacional. As operadoras precisam parar com esse conceito de querer ganhar dinheiro fácil dos consumidores.