Ranking da Anatel: Telefônica e OI melhoram índices


O ranking de reclamações das prestadoras fixa e móvel da Anatel demonstrou que a Telefônica e a OI Celular melhoraram seus desempenhos em relação ao mês de agosto. Embratel e OI Celular mantiveram a liderança do ranking. Os resultados do mês de setembro de todas as empresas foram divulgados hoje, 29 de outubro, no portal …

O ranking de reclamações das prestadoras fixa e móvel da Anatel demonstrou que a Telefônica e a OI Celular melhoraram seus desempenhos em relação ao mês de agosto. Embratel e OI Celular mantiveram a liderança do ranking. Os resultados do mês de setembro de todas as empresas foram divulgados hoje, 29 de outubro, no portal da agência.

A Embratel, na modalidade local, registrou 1,788 reclamação por mil assinantes, superando o mês de agosto, quando apontava 1,295 queixa. A Telefônica se manteve na segunda colocação, com melhora em seu desempenho. Em agosto a operadora registrou 1,028 reclamação e em setembro esse número ficou em 0,795 reclamação por mil usuários. Atrás das duas primeiras seguem a GVT (0,746); Brasil Telecom (0,614); Telemar (0,566); CTBC Telecom (0,286); Sercomtel (0,089); e Intelig (0,054). O número de reclamações referente ao serviço de telefonia fixa registradas na central de atendimento da agência, no mês de setembro, foi de 28.662 queixas.

Telefonia celular

PUBLICIDADE

Na telefonia celular, a líder OI melhorou seu desempenho, registrando em agosto 0,508 reclamação a cada mil aparelhos em serviço, contra 0,407 reclamação no mês passado. A TIM se manteve na segunda colocação, mas o número de queixas aumentou de 0,389 em agosto, para 0,393 reclamação em setembro. Em terceiro vem a 14 BRT (0,351); seguida da Telemig Celular (0,246); Triângulo Celular/CTBC (0,238); Vivo (0,234); Claro (0,144); Amazônia Celular (0,083); e Sercomtel Celular (0,048). Na telefonia celular, a central de atendimento da Anatel registrou em em setembro 31.393 reclamações.

Anterior 3 lança com Skype serviço VoIP móvel gratuito
Próximos Na Itália, TI é acusada de abuso de posição dominante