Qualcomm confirma acordo com governo da China


A Qualcomm divulgou comunicado na noite de ontem em que confirma o acordo feito com o governo da China para retirar as acusações de práticas anticompetitivas no país. A empresa aceitou pagar multa equivalente a US$ 975 milhões e reduzir o valor cobrado para licenciar suas tecnologias em telefonia móvel.

A Comissão Nacional de Reforma e Desenvolvimento (CNRD) vinha investigando a companhia desde 2013, tendo como base a lei antimonopolista chinesa, criada em 2008. O órgão estipulou uma multa à Qualcomm, que decidiu não recorrer da sanção. Resolveu, também, rever o modelo industrial praticado no país para atender às regras locais.

“Apesar de desapontados com os resultados da investigação, ficamos satisfeitos que a CNRD reviu e aprovou o plano de retificação da companhia”, diz a Qualcomm na nota.

Pelo plano, a empresa vai deixar de obrigar a aquisição de outras licenças a fabricantes que queiram usar suas tecnologias 3G e 4G. Até hoje, a empresa vendia apenas um licenciamento em pacotes. Além disso, a empresa se compromete a cobrar apenas 5% em royalties para uso de tecnologia 3G e 3,5% para a 4G, sobre 65% do valor do aparelho vendido.

A empresa também deve parar de obrigar a aquisição de chips seus para quem licenciar suas tecnologias. Em compensação, também vai poder recursar o fornecimento a fabricantes que não consigam reportar em detalhes as vendas de chips ou aparelhos com tecnologias licenciadas.

“Estamos satisfeitos que a definição sobre o assunto levante as incertezas sobre nossas operações na China, e agora vamos vamos focar nossa atenção e energia aos parceiros locais”, conclui Steve Mollenkopf, CEO of Qualcomm.

Anterior Teles querem que regulamentação do Marco Civil se baseie em princípios
Próximos Nos EUA, disputa pela neutralidade se acirra na FCC