“O edital está perfeito”, defende Ziller.


O conselheiro da Anatel, Pedro Jaime Ziller, defendeu hoje, 30, as regras fixadas no edital de licitação dos blocos de freqüência de 3,5 GHz e 10,5 GHz “está perfeito e atende às políticas públicas vigentes”. O comentário do conselheiro foi uma resposta ao pedido das concessionárias fixas de alterarem as regras da concorrência para que …

O conselheiro da Anatel, Pedro Jaime Ziller, defendeu hoje, 30, as regras fixadas no edital de licitação dos blocos de freqüência de 3,5 GHz e 10,5 GHz “está perfeito e atende às políticas públicas vigentes”. O comentário do conselheiro foi uma resposta ao pedido das concessionárias fixas de alterarem as regras da concorrência para que elas tivessem o direito de compras freqüências dentro de suas respectivas áreas de atuação. O edital só permite que elas comprem blocos fora das áreas de concessão.

Ziller defende que as freqüências de 3,5 GHz e 10,5 GHz, especialmente se utilizadas em aplicações WiMAX, são uma ótima alternativa ao par de fios de cobre, sobre o qual as concessionárias têm monopólio, permitindo que empresas autorizadas tenham acesso à chamada última milha e cheguem à casa do assinante para ofertar acesso banda larga à internet. “Esse é o argumento fundamental contra a participação das operadoras locais em suas áreas de concessão. Caso contrário, elas terão exclusividade tanto sobre o par de cobre quanto sobre o acesso sem fio”, disse Ziller. Na avaliação do conselheiro, incluir obrigações adicionais para as concessionárias, como elas começarem a utilizar as freqüências um ano depois das outras empresas, Ziller argumentou que são alternativas paliativas. “Queremos competição agora”, disse o conselheiro.

Anterior Justiça nega ação do Ministério Público contra decreto da TV digital
Próximos MCT assegura que novo prazo para entrega de relatórios está mantido