Proteste e AET questionam Anatel sobre início de operação da 4G


A Proteste Associação de Consumidores  e a Associação dos Engenheiros de Telecomunicações (AET) enviaram nesta segunda-feira (29), à Anatel, um ofício pedindo esclarecimentos e questionando o início do serviço 4G. Para a entidade, a agência não deveria permitir a comercialização de planos nessa tecnologia, cuja cobertura ainda é restrita.

 
De acordo com a Proteste, o lançamento do 4G pode ser caracterizado como propaganda enganosa porque aparelhos e planos mais caros acabarão por ser operados em frequências destinadas ao 3G. “Ou seja, depois de assinar o contrato de fidelidade com a operadora e se dar conta da limitação, o consumidor que precisa transmitir e receber grande quantidade de dados se sentirá enganado”, observa Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da entidade.
 

Há dúvidas sobre em quais faixas de frequência funcionará o serviço, que começou a ser oferecido semana passada pelas operadoras, de olho nas vendas para o Dia das Mães. Inicialmente o 4G funcionará na frequência de 2,5 GHz, com baixo desempenho para locais fechados, o que implicará a necessidade de utilização de outras faixas de frequência relativas ao 3G e 3G Plus para se obter as velocidades prometidas.
 

As associações também pedem no Ofício para a Anatel informar em quais cidades e sites estão instaladas as antenas capazes de servir de infraestrutura para suporte do 4G. Pelo cronograma definido pela agência, as operadoras têm até amanhã para por em operação as redes de 4G nas seis cidades que vão sediar a Copa das Confederações entre 15 e 30 de junho.(Da redação, com assessoria de imprensa).

Anterior Anatel fixa valores das outorgas de SCM para operadoras de MMDS
Próximos TIM conclui instalação dos dois maiores trechos de backbone na região norte