Proteste quer Minicom protegendo o WhatsApp


shutterstock_Tashatuvango_Tendencia_Internet_Operadoras_Tecnologia_VoipA Proteste – Associação de Consumidores vai protocolar nesta terça-feira (1º) no Ministério das Comunicações, em Brasília, documento pedindo que o ministério proteja o WhatsApp, prevenindo que o serviço, e outros tipos de OTTs, sofram bloqueios ou onerações. A iniciativa é resultado da campanha “Não calem o WhatsApp”, que teve a adesão de 51.640 consumidores desde agosto.

No documento, a organização pede que o Minicom garanta os direitos estabelecidos com o Marco Civil da Internet, como o caráter livre e aberto da rede, com respeito ao princípio da neutralidade e a inclusão digital.

Operadoras de telecomunicações já manifestaram diversas vezes que consideram desigual o tratamento legal dado às empresas Over the Top (OTTs), como o WhatsApp. A companhia com posição mais vocal contra o app é a Telefônica, com seu CEO comparando o serviço à pirataria. A discussão levou até mesmo a Anatel a estudar medidas que equilibrem o jogo nas telecomunicações.

PUBLICIDADE

A Proteste pedirá ao Ministério das Comunicações que haja a mínima interferência na dinâmica de desenvolvimento de aplicações e conteúdos na internet, a fim de se garantir a liberdade de expressão, o livre fluxo de informações, a garantia do menor custo para cidadãos e consumidores, assim como a inovação e a garantia de ambiente concorrencial para estes mercados. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Presidente do Senado regulamenta o e-cidadania
Próximos Inovativa Brasil escolhe projetos para capacitação no Reino Unido