Proposta de resolução de conflito da Anatel volta à área técnica para atualização


O Conselho Diretor da Anatel decidiu, nesta quinta-feira (12), enviar a proposta de Regulamento de Resoluções de Conflitos de volta à área técnica para, num prazo de 90 dias, seja apresentado novo projeto, com estrutura atualizada, contemplando as recentes ações da agência. Ou seja, é preciso atualizar a proposta, que foi elaborada em 2004, sob a relatoria do ex-conselheiro Pedro Jaime Ziller.

Apesar de constar da lista das prioridades apresentada pelo ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, a Anatel não quer aprovar uma matéria que não está aderente ao Plano Geral de Metas de Competição (PGMC), ainda em tramitação na agência; ao novo regimento interno, também não aprovado; e compatível com o regulamento de interconexão, que será revisto.

A proposta de Regulamento de Resolução de Conflitos estava com a conselheira Emília Ribeiro desde agosto do ano passado. Foram necessários oito meses para atestar que a matéria está desatualizada.

DISTV e Modelo de Custo

Outra decisão na reunião de hoje foi a de não extinção do Serviço de  Distribuição de Sinais de TV por Meios Físicos – DISTV. A matéria, relatada pelo ex-conselheiro Antonio Bedran, foi retirada de pauta em função do pedido de vista da conselheira Emília Ribeiro, em junho de 2009. A proposta era pela extinção do serviço.

A direção da Anatel aprovou ainda a criação de um grupo de trabalho para acompanhar a implantação do sistema de modelo de custo pela empresa vencedora da licitação internacional. O nome dessa empresa, entretanto, somente será anunciado pela UIT (União Internacional de Telecomunicações), que ficou responsável pela licitação.

Anterior Banda larga precisa de novas faixas de frequência, segundo SindiTelebrasil
Próximos Dispositivos “dual-mode” na transição do WiMAX para a LTE reduzem custos das operadoras, diz relatório