Proposta de orçamento do MCTIC para 2020 tem alta de 6,2%


O orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações para 2020 terá aumento de 6,2%, passando de R$ 3,53 bilhões em 2019 para R$ 3,78 bilhões no ano que vem. Esse valor não inclui a Anatel, mas engloba a Telebras, que terá recursos da ordem de R$ 741,3 milhões em 2020, caso o Projeto de Lei Orçamentário, entregue pelo governo ao Congresso Nacional, seja aprovado do jeito que está.

O projeto da lei orçamentária de 2020, prevê cortes de 57,3% nos investimentos. O valor passaria da previsão de R$ 2,03 bilhões neste ano de 2019, para R$ 868,08 milhões em 2020.

Para a Anatel, a previsão é de orçamento de R$ 619,5 milhões ante recursos da ordem de R$ 593,6 milhões aprovados para este ano. Estão previstos R$ 16,1 milhões ao Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações, que fomenta empreendimentos em padronização tecnológica, pesquisas aplicadas que envolvam risco tecnológico relevante e a capacitação de recursos humanos, objetivando o desenvolvimento das telecomunicações.

Para a Inclusão Digital, serão destinados R$ 46,9 milhões. A fiscalização e a regulação na Anatel contarão com R$ 199,3 milhões. O Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), cujo objetivo é massificar o acesso à internet banda larga no país, receberá R$ 254,4 milhões.

Em maio de 2017, entrou em órbita o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Estratégica (SGDC), parte essencial do PNBL, fornecendo ainda um canal de comunicação autônomo às Forças Armadas. Em 2020, estão previstos R$ 94 milhões para dar continuidade ao projeto, agora com a implantação de infraestrutura de terra para comunicação com o satélite.

Para a área de cultura, o PLO prevê R$ 1,7 bilhão. Para o funcionamento dos espaços culturais – tais como bibliotecas, teatros, museus, salas de exposições, auditórios, serão destinados R$ 100,2 milhões.

Para o apoio e fomento a projetos culturais, responsáveis pela criação, produção, divulgação e circulação do produto cultural brasileiro, serão alocados R$ 40,3 milhões. Para a preservação do patrimônio cultural das cidades históricas, que envolve planejamento, desenvolvimento, fomento, coordenação, monitoramento e avaliação de ações de preservação do patrimônio cultural brasileiro, há previsão de R$ 45 milhões.

Despesas discricionárias

Os recursos discricionários dos ministérios e órgãos federais em 2020 sofrerão redução de R$ 13 bilhões na comparação com este ano, valor que pode paralisar a máquina pública. As chamadas despesas discricionárias incluem gastos com investimentos e custeio da máquina pública, como pagamento de contas de água, luz, transporte e pagamento de bolsas, por exemplo.

O Orçamento 2020 disponibiliza nessa rubrica um total de R$ 89,1 bilhões. O valor aprovado para esse ano é de R$ 102,4 bilhões, mas acabou sendo reduzido para cerca R$ 94 bilhões com os contingenciamentos.

O Orçamento 2020 leva em consideração um crescimento de 2,17% da economia no ano que vem. Para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação, as projeções vinculadas ao projeto de lei orçamentária indicam aumento de 3,91% em 2020. Outro indicador de inflação, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), prevê elevação de 4,02%.

O governo manteve a meta indicada no projeto da LDO de déficit primário de R$ 124,1 bilhões para o governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central), menor que o previsto para este ano, de R$ 139 bilhões. Desde 2014, as contas do governo federal estão no vermelho.

Anterior Bradesco revê indicação de Oi após movimentação do PLC 79
Próximos Trabalhadores dos Correios ameaçam entrar em greve