Desvinculação do Fust pode ser positiva se dinheiro for aplicado no setor, afirma presidente SindiTelebrasil


Dirigente do sindicato das operadoras alertou que é inviável adotar as novas tecnologias, como a 5G, se não for reduzida a carga tributária do setor. Marcos Ferrari assinalou que apenas 8% do Fust (Fundo de Universalização) foi aplicado na universalização do serviço e, se a proposta do governo for para acabar com essa distorção, ela será bem-vinda.

Economista Marcos Ferrari, presidente executivo do SindiTelebrasil

A desvinculação das receitas dos fundos setoriais, conforme proposta de emenda à Constituição (PEC) apresentada pelo governo, será positiva, se os recursos arrecadados foram efetivamente destinados à ampliação da infraestrutura de telecomunicações no país. Essa é a avaliação inicial sobre o tema apresentada hoje, 7, pelo economista Marcos Ferrari, presidente executivo do SindiTelebrasil, o sindicato das operadoras de  telecomunicações.

Segundo Ferrari, apenas 8% dos R$ 100 bilhões arrecadados desde 2001 pelos fundos setoriais de telecom foram aplicados no setor. “Se a proposta vem no sentido de acabar com essa distorção no setor, acho que isso pode ser positivo, mas a gente tem que conhecer o detalhe para saber qual é a intenção do governo”, comentou após participar do Encontro Tele.Síntese sobre “Reforma Tributária e Telecomunicações”, que acontece em Brasília (DF).

Ele acrescentou que o desejo das operadoras é que os recursos sejam direcionados à finalidade para a qual foram criados, prevendo gestões da entidade junto aos congressistas. “Temos um saldo de 90% do que foi arrecadado e não aplicado no setor. Então, é natural que tenhamos o pleito de que esses recursos sejam aplicados,por exemplo, para dar suporte à onda da nova tecnologia do setor”, pontuou, referindo-se à chegada da 5G. Observou, porém, que a entidade apoia medidas que simplifiquem a carga tributária. “Se a proposta vai nesse caminho vemos com bons olhos”, avaliou.

O executivo também considerou que ainda não é possível avaliar o impacto da proposta nos fundos setoriais para definir quais estão mantidos ou extintos. A PEC prevê que serão extintos os fundos que não forem regulamentados por lei complementar no prazo de dois após a promulgação, o que, na avaliação de Ferrari,  pode acontecer com a maioria deles porque foram regulamentados por lei ordinária

Campeão de tributos

Durante sua exposição no Encontro Tele.Síntese, Ferrari destacou que o Brasil é campeão mundial de tributação de telecomunicações entre os dez países com maior número usuários de telecom. Segundo ele, o setor arrecada R$ 60 bilhões por ano, o que corresponde a 1% do PIB, com uma carga tributária de 42,9%.

“É uma carga tributária muito elevada para um bem que é crescentemente essencial. Se antigamente, só usávamos o celular para telefone, hoje nós usamos para diversos serviços, como pagar conta ou aplicar no mercado de ações. Cada vez mais vivemos com o aparelho na mão para resolver nossos problemas”, pontuou.

Citou que um decreto referente a ICMS do Estado de São Paulo compara o setor de telecomunicações, em termos de tributação, a bebidas alcoólicas, fumo e perfumes. E alertou que, com a atual tributação, será inviável a adoção de novas tecnologias no país, como a 5G, Internet das Coisas (IoT) e a Inteligência Artificial (IA). “É o momento para discutir a redução da carga na reforma tributária”, defendeu.

Anterior Coalizão Direitos da Rede cobra aplicação do Fust em telecom
Próximos Algorítimos para auxílio terapêutico a crianças especiais

Sem comentários

Deixe o seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *