A PromonLogicalis espera um crescimento robusto de seus negócios no Brasil no ano fiscal de 2014 (de março a fevereiro de 2013), em torno de 20%, por conta da recuperação do mercado corporativo, incremento da área de governo e continuidade de investimento das operadoras no país, com reforço na área de computação em nuvem, data center e vídeo sob demanda. “Se o PIB [do Brasil] crescer 3%, o setor de tecnologia cresce duas e até três vezes mais. O primeiro trimestre fiscal começou muito forte”, afirmou Rodrigo Parreira, CEO da Logicalis para a América Latina.

Entre os planos do executivo para o ano de 2013 está a maior participação da companhia na transformação tecnológica do setor público, tanto no Brasil quanto na América Latina. O planejado é um crescimento de 40% da vertical no Brasil, o que elevaria a participação desta vertical no total da receita no país, um porcentual que hoje gira em torno de algo entre 5% e 10%.

No restante da América Latina, a joint venture que atua apenas com o nome Logicalis espera crescimento variado de país a país, com o mercado argentino bastante lento, compensado em parte pelo chileno mais punjante. Na região andina, onde a empresa criou uma divisão no ano fiscal de 2013, a expectativa de novos negócios é boa, especialmente na Colômbia e Equador, onde sua presença ainda tímida tende a ser reforçada com a aquisição da empresa local Cibercall, anunciada em novembro.

Apesar dessas possíveis variações, como o Brasil é disparado o maior mercado na região (72% da receita), a companhia deverá seguir com a expansão forte registrada nos últimos anos. “A PromonLogicalis praticamente dobrou de tamanho no Brasil”, lembrou Parreira, após divulgar a receita de R$ 701 milhões no ano fiscal de 2013 (encerrado em fevereiro), valor 31% maior do que o registrado no ano passado, 11% em dólar. Na América Latina, a receita da joint venture ficou em US$ 484 milhões, alta de 8% em relação ao ano fiscal de 2012.

México
Um impulso adicional para os negócios da companhia deve vir também do México, onde a companhia estrutura uma sede ainda neste trimestre. A motivação principal é atender também localmente as multinacionais mexicanas já clientes da empresa em outros países. A Logicalis – que tem 60% de seu faturamento proveniente de contratos com operadoras – atende empresas do grupo América Móvil em alguns mercados, incluindo o brasileiro mantém contratos com a Claro, por exemplo, e já tem prospecções com a gigante de telecomunicações naquele país.

Com a presença estabelecida no México, a Logicalis começará a procurar de forma ativa uma aquisição no país, como forma de acelerar o crescimento. De acordo com Parreira, a expectativa é concluir um processo de aquisição em cerca de um ano.