Projeto de smart grid da Eletrobras prevê transmissão de dados por redes das celulares


Com investimentos de US$ 709,3 milhões, o projeto Energia + deve impulsionar o programa do uso inteligente da energia elétrica no país. Em agosto, a Eletrobras realiza uma grande licitação pública internacional para contratar soluções e equipamentos para a modernização de seis distribuidoras – Alagoas, Acre, Piauí, Rondônia, Boa Vista e Amazonas.

A Eletrobras vai realizar em agosto uma grande licitação pública internacional para contratar soluções e equipamentos para a modernização de seis distribuidoras – Alagoas, Acre, Piauí, Rondônia, Boa Vista e Amazonas –, dentro do projeto Energia +, que pode se transformar na grande arrancada do smart grid no Brasil. “É uma grande licitação, envolvendo mais de US$ 700 milhões de recursos e que tem despertado o interesse tanto de fornecedores de equipamentos, softwares, integradores, como o das teles”, comenta Israel Bayma, diretor da Bayma Engenharia.

Inicialmente, serão contratados 6.760 pontos, para o piloto, porém, o número de consumidores no país (de média e baixa tensão) é em torno de 50 milhões. “Este é potencial do smart grid no país”, observa Bayma. Com a recente decisão da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), de instituir a venda pré-paga de energia elétrica em todo o país, o smart grid torna-se ainda mais promissor, avalia Bayma.

O edital elaborado pela Eletrobras prevê que a transmissão das informações poderá ser pelas redes de celular existentes, o que despertou o interesse das teles brasileiras. Conforme o edital, serão utilizadas redes de dados GSM/GPRS/EDGE/3G (ponto a ponto) para as unidades consumidoras de baixa tensão; e a comunicação entre os concentradores e o centro de medição deve ser GPRS/GSM/Edge/3G ou Internet.

Projeto

O Projeto Energia + prevê investimentos de US$ 709,3 milhões, dos quais US$ 495 milhões são financiamento do Banco Mundial e US$ 214,3 milhões financiados como contrapartida pela Eletrobras. Do total, US$ 675,3 milhões são para projetos para redução de perdas totais e melhoria da qualidade dos serviços de distribuição, como digitalização de redes, implantação de equipamentos diversos, expansão, reabilitação e reforma de redes de distribuição, implantação de infraestrutura de medição avançada, além de modernização de sistemas de gestão empresarial. Outros US$ 34 milhões serão aplicados no fortalecimento institucional, com implantação de sistemas de gestão de projetos, capacitação técnica e ambiental, programas socioambientais e a instalação de um centro de excelência em energia no Acre.

O edital de licitação prevê a instalação de uma plataforma de gerenciamento de serviços de medição (conhecida como AMI na sigla em inglês, ou Infraestrutura de Medição Avançada). A solução permite a execução e operações de medição remota, upload de arquivos, análise e processamento de dados, troca de informações com outros sistemas de informação e implementação de processos para combater perdas comerciais de energia elétrica.

Os sistemas incluem um conjunto de medidores eletrônicos de faturamento, adicionado aos equipamentos de comunicações remotas (gateways, modems, rádios, concentradores), que serão conectados ao subsistema central. “É um negócio novo para as teles e tem despertado o interesse de alguns players”, comenta Bayma.

 

Anterior Derrota da seleção brasileira provoca queda de 55% do tráfego de dados no Mineirão
Próximos Venda de celulares deverá ser ligeiramente inferior à de 2013