Projeto de conversor barato para TV digital será apresentado dia 20


Um consórcio de empresas brasileiras entrega no dia 20 de agosto a proposta para produzir cinco milhões de conversores da TV digital, já com o ginga embarcado, a um preço não superior a R$ 200,00 para o consumidor. A partir da análise das planilhas de custos, o governo decidirá quais incentivos poderão ser dados ao programa, disse nesta quinta-feira (29) o assessor especial da Casa Civil, André Barbosa.

Uma coisa que o governo já decidiu é que não adotará a mesma medida da Argentina, que optou por subsidiar todo o equipamento e distribuir gratuitamente, adiantando até a implantação da interatividade. ”Nós entendemos que uma política de sustentabilidade tem que ter o respaldo do mercado. Nós vamos criar as condições, cenários indutores que facilitem isso, talvez cortar impostos, dar algum incentivo fiscal, acertar a legislação com os estados, criar políticas de importação de insumos, botar o septop box e o modem – possibilidade que ainda está sendo discutida – em condição de ter os benefícios previstos para inclusão digital”, disse o assessor.

Barbosa disse que o programa para barateamento dos septop boxes terá recursos do BNDES, destinados ao ISDB-T, que está lá desde 2006 e precisam ser utilizados. O consórcio de empresas, liderado pela TQTVS da Totvs, que investiu no desenvolvimento da TV digital lá atrás, estabelecerá cotas para produção de cada empresa, até atingir a soma dos cinco milhões de equipamentos, e vai cobrar um preço menor da licença para implementação do ginga, já que terá escala. “O governo só entrará com o arcabouço legal”, disse.

PUBLICIDADE

Paralelamente, o governo terá que fomentar a produção de conteúdos e aplicativos digitais interativos para que as pessoas tenham interesse em comprar o septop box. “Todas essas coisas têm que caminhar juntas e nós estamos trabalhando nisso. Acho que a partir do ano que vem nós teremos solucionado toda essa situação”, ressaltou. Barbosa disse ainda que o governo trabalha também para novos implementadores brasileiros, além da TQTVS, se interessem pela produção de conversores.

Outro ponto previsto no programa dos conversores é o financiamento do equipamento no varejo pelos bancos oficiais – Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal -, que terá prestação mensal de R$ 17,00.

África do Sul

Nesta quinta-feira, junto com o secretário-executivo do Ministério das Comunicações, Fernando Lopes, Barbosa recebeu nove parlamentares da África do Sul, que vieram conhecer de perto o sistema de TV digital nipo-brasileiro. Os deputados estão no país desde terça-feira, a convite do governo brasileiro. Já passaram por São Paulo, onde visitaram o Makenzie, a Usp, as emissoras de televisão: SBT, Globo e Bandeirantes. “A comitiva esteve também em Santa Rita do Sapucaí, visitando a Linear, fabricante de transmissores para a TV digital e aqui em Brasília procuraram informações sobre o convívio com os sistemas de cabo e DTH, que usam o DVB europeu com ISDB-T”, informou o assessor da Casa Civil.

A preocupação dos sul-africanos é com a indústria de exportação de conversores para TV paga que usa o sistema europeu (DVB) e que é muito forte naquele país. “Nós dissemos que eles podem continuar fazendo a exportação para o mundo inteiro e até para nós, porque usamos o DVB na TV paga, mas escolher o ISDB para TV aberta. E eles gostaram da resposta”, disse Barbosa. Segundo ele, na comitiva, composta de parlamentares de partidos do governo e da oposição, estava também um representante dos radiodifusores africaners, que ainda defendem a opção pelo padrão europeu.

De acordo com Barbosa, os deputados perguntaram também como estão os outros países na África. “Nós dissemos que vários outros países africanos demonstraram interesse. Como Angola, Moçambique e Botsuana, que estão muito interessados. Além do Quênia, que tem a maior cobertura celular da África e, como o nosso projeto admite a transmissão por celular, de graça, ele sabe que não terão que colocar dinheiro em um projeto audiovisual”, disse.

“Cada um tem uma maneira de enxergar o ISDB. O que nós notamos é que eles estão convencidos de que o sistema ISDB hoje é o mais robusto e o que tem mais condições de políticas públicas de interatividade por ser mais moderno que o DVB atual”, analisou Barbosa. Ele disse que o DVB-2, implantado em caráter experimental na Inglaterra é muito bom e se equivale ao nipo-brasileiro, mas é muito caro e não está na Europa inteira. “E não é o plano europeu implantar ele agora, mas sim 10 anos após a consolidação do sistema atual”, completou.

Anterior NII Holdings lucra US$ 75,5 milhões no trimestre
Próximos Brasil ocupa 42° posição em ranking de economia digital