Projeções positivas para TIM Participações e NET Serviços


27/01/2006 –  Está começando a safra de resultados do último trimestre e do exercício de 2005. Com ela, as previsões dos analistas. A primeira operadora móvel a anunciar o desempenho (1º de fevereiro) é a TIM Participações (TIM Sul e TIM Nordeste), para a qual a expectativa é positiva. Para alguns, mesmo que o quarto …

27/01/2006 –  Está começando a safra de resultados do último trimestre e do exercício de 2005. Com ela, as previsões dos analistas. A primeira operadora móvel a anunciar o desempenho (1º de fevereiro) é a TIM Participações (TIM Sul e TIM Nordeste), para a qual a expectativa é positiva. Para alguns, mesmo que o quarto trimestre da TIM não seja melhor do que o anterior, no geral, seus indicadores devem ser melhores do que os das operadoras do grupo Vivo, por exemplo. É o que apontam as projeções do Banif. Entre seis empresas avaliadas, a expectativa é que a TIM tenha o segundo melhor resultado anual positivo, com crescimento da receita pouco acima dos 5%, e avanço da receita da operação (EBITDA) de 3%. O primeiro lugar, continuará com a Telemig Celular, tanto em termos de expansão da receita, como do EBITDA. Situação diversa das operadoras do grupo Vivo, cuja receita deve evoluir (exceção feita à Telesp), mas não o EBITDA.

Em relação ao quarto trimestre de 2005, de acordo com as projeções do Banif, o faturamento das operadoras móveis deve aumentar 5,4% em comparação com o trimestre anterior, mas o EBITDA deve recuar 4,6%. Porque, como de hábito, o aumento das vendas no final do ano implica maiores despesas de marketing e subsídios. O prejuízo líquido do segmento deve aumentar de R$ 8,1 milhões, no 3T05, para quase R$ 70 milhões no seguinte.

Boa parte dos analistas considera que, no último trimestre do ano, como já tinha indicado, o grupo TIM deve ter mantido foco na lucratividade. Assim, projeta o Banif, a TIM Participações deve ter encerrado o trimestre com com aumento da base da ordem de 6,6%, e margem EBITDA de 34,8%.

Vírtua cresce aceleradamente

Se as estimativas do mercado se concretizarem, a NET Serviços deve encerrar o último exercício navegando em céu de brigadeiro (a empresa divulga resultados no dia 2 de fevereiro), com perspectiva idêntica no futuro de curto prazo. De acordo com estudo da corretora do ABN-Amro Real, ela deve encerrar o ano com crescimento de 8% na base de assinantes de TV por assinatura (1,5 milhão de clientes) e expansão geométrica na de clientes Vírtua: 362 mil, 92% acima de 2004. Para os próximos dois anos, o avanço continua, mas em ritmo menor. De toda forma, a relação entre o número de clientes do serviço de banda larga e o de TV paga é crescente: em 2005, o número de clientes Vírtua deve ter chegado aos 24% da base total, participação que pode aumentar para 31% e 38%, respectivamente em 2006 e 2007.

Pelas previsões de Alex Pardellas, analista de telecom do ABN-Amro Real, a receita líquida da NET, em 2005, cresceu 14%, e pode aumentar outros 25% este ano, chegando à casa de R$ 1,95 bilhão. Em função da reestruturação financeira da empresa, o mercado espera que obtenha lucro líquido em 2005, depois do prejuízo de R$ 45 milhões no exercício anterior, resultado que tende a melhorar neste ano.

De maneira geral, o mercado não espera impactos significativos para a NET do seu acordo com a Embratel, já que a transmissão de voz via telefonia fixa tem tráfego e preço declinantes. A operadora de TV, porém, pode ter ganhos com a banda larga. O ABN-Amro avalia que, inicialmente, o mercado VoIP proveniente da parceria são os clientes Vírtua, enquanto o mercado potencial total é de 2,5 milhões de domicílios, que é a abrangência atual da rede NET bi-direcional, e o mercado potencial livre é de 800 mil clientes, que é o número de domicílios incluídos na rede bi-direcional e que ainda não são atendidos por qualquer outro provedor.
  

Anterior Vendas líquidas da Nokia crescem 16%
Próximos Base banda larga UOL cresce 45%