Pro Teste pede, na Justiça, suspensão da assinatura básica da Telefônica.


A Pro Teste Associação de Consumidores ajuizou ação civil pública, na 6ª Vara Cível da Justiça de São Paulo, na última sexta- feria (19), para que a Telefônica seja obrigada a deixar de cobrar por um mês a assinatura básica de toda a sua base de assinantes, devido as falhas na prestação do serviço da …

A Pro Teste Associação de Consumidores ajuizou ação civil pública, na 6ª Vara Cível da Justiça de São Paulo, na última sexta- feria (19), para que a Telefônica seja obrigada a deixar de cobrar por um mês a assinatura básica de toda a sua base de assinantes, devido as falhas na prestação do serviço da telefonia fixa e da banda larga Speedy.  A entidade também pediu a antecipação de tutela (decisão liminar), para que o desconto possa ser feito já na próxima conta.
 
No entender da entidade, a ação complementa a decisão da Anatel que após um ano de apuração de falhas ocorridas em 2008, publicou decisão hoje (22) no Diário Oficial da União proibindo a Telefônica de comercializar temporariamente o serviço de banda larga Speedy, até que a empresa adote procedimentos para melhorar a qualidade do serviço. Caso a decisão da Anatel não seja cumprida, a Telefônica estará sujeita a multa de R$ 15 milhões e de R$ 1.000 para cada unidade comercializada.

Segundo a Pro Teste, a Telefonica comete várias práticas abusivas, levando-se em conta a Lei Geral das Telecomunicações e o Código de Defesa do Consumidor. A Associação alerta na ação que “ não há como os consumidores ficarem reféns da impunidade da qual tem sido beneficiada a Telefônica, e precisam ter desconto de forma coletiva, com o objetivo de recomposição pela má prestação do serviço, sem prejuízo do pedido de indenizações por perdas e danos apurados individualmente, nos termos do artigo 20 do Código de Defesa do Consumidor.” (Da redação, com assessoria de imprensa)

Anterior Claro revende novo modelo da Sony Ericsson
Próximos Idec constata que Telefônica continua comercializando o Speedy