Primeiro celular da Blackberry com Android começa a ser vendido. Lá fora.


PRIV_blackberryA Blackberry iniciou nesta sexta-feira, 06, no Canadá, as vendas do Priv, seu primeiro celular Android. A companhia aposta suas fichas no dispositivo para recuperar e mercado em hardware. No mês passado, o CEO da empresa, John Chen, avisou que este pode ser o último smartphone lançado pela canadense, caso as vendas não atendas as expectativas.

O Priv traz o sistema operacional Android Lollipop (5.1.1), já com previsão de atualização futura para a versão 6, batizada de Marshmalow. Mas não traz o sistema puro. Vem com modificações e incrementos de segurança. Traz um aplicativo exclusivo, chamado DTEK, que avalia a segurança das conexões de dados, alertando o usuário em caso de possível vazamento de informações.

Em usabilidade, o sistema acrescentou menus pop-ups, que aparecem sobre os ícones das aplicações, oferecendo comandos rápidos a funções mais acessadas pelo usuário no aplicativo – algo similar ao 3D Touch colocado pela Apple na mais recente geração do iPhone, mas sem depender da resposta tátil à pressão do toque.

O aparelho traz também a marca que popularizou a Blackberry entre executivo: um teclado físico, retrátil, embutido. Tem tela de 5,4 polegadas AMOLED, curvada nas duas laterais, semelhante à presente no Galaxy S6 Edge, da Samsung. A bateria é de 3.410 mAh, capaz de suportor 22,5 horas de uso contínuo, segundo a companhia. A câmera traseira é também a melhor vista em um aparelho da Blackberry, diz a empresa. Tem resolução de 18 MP, flash duplo, e certificação da fabricante alemã de lentes Schneider-Kreuznach. Traz 32 GB de capacidade de armazenamento e entrada para cartões microSD de até 2 TB de capacidade, 3 GB de memória RAM. E funciona em redes LTE.

Nos Estados Unidos, será vendido na loja online da Blackberry, e também pela operadora AT&T. O preço online é de US$ 699. O celular também será comercializado na Europa e em mercado da Ásia. A empresa não deu previsão para início das vendas no Brasil.

Anterior Lava-Jato vai atrás de Zunga, da Oi
Próximos Dienstmann ocupará nova diretoria na Telefônica Vivo