Presidente dos Correios diz que estatal não visa grandes lucros


General Juarez Aparecido Cunha: Justiça vai decidir o caso do Postalis / Ascom Correios

O presidente dos Correios, general Juarez Aparecido Cunha, disse hoje, 31, desconhecer se, em caso de privatização da estatal, as empresas privadas terão interesse em assumir serviços como o Balcão do Cidadão, lançado nesta sexta-feira para oferecer produtos de órgãos públicos a preços reduzidos em municípios distantes.

“Não sei se terão interesse”, afirmou ao Tele.Síntese, ao ser questionado se esses serviços pouco rentáveis poderiam atrair o interesse do setor privado, em caso de privatização da estatal, como quer o presidente Jair Bolsonaro. Segundo o executivo, serviços públicos como os do INSS, vão girar em torno de R$ 8 a R$ 20.

“A empresa [os Correios] não visa grandes lucros”, acrescentou Cunha. “Tem que ser autossustentável. No ano passado, tivemos lucro, pequeno, mas é o que nos interessa. Estamos em um processo de crescimento bastante interessante”.

O Balcão do Cidadão lançado hoje marca a ampliação de serviços prestados nas agências dos Correios, que estão instaladas em todos os 5.570 municípios brasileiros. Em muitos deles, como foi destacado durante o evento, os Correios são o único órgão federal presente.

O general declarou que as contas dos Correios estão equilibradas. Prejuízos de R$ 4 bilhões registrados em 2015 e 2016, causados por desvios no Postalis, fundo de pensão dos empregados da estatal, serão equacionados com aval judicial.

“Esse prejuízo de R$ 4 bilhões faz parte de coisas que ainda serão decididas. No caso do Postalis, os Correios poderão estender isso aí [o pagamento dos desvios] por 30 anos. A Justiça é que vai decidir”, falou.

Readequação

Segundo os Correios, não têm a ver com o projeto de privatização da estatal, como acusam entidades sindicais, as medidas adotadas para o fechamento de 161 agências e PDV, programa de demissão voluntária, para 7.300 empregados até 5 de julho.

Os Correios estão trabalhando para otimizar seus recursos com foco na melhoria do atendimento aos cidadãos, visando se manterem competitivos, modernos e sustentáveis. As agências que terão suas atividades migradas, em sua maioria, ocupam imóveis alugados, estão sombreadas por outras próximas e são deficitárias. Os empregados dessas agências serão transferidos para outras agências ou poderão optar pelo reenquadramento de atividade”, informou a assessoria.

 

Anterior Mercado de banda larga fixa encolhe em abril
Próximos STF vai decidir sobre incidência de ICMS em celulares cedidos pelas teles em comodato

14 Comments

  1. Logan Schineider
    31 de Maio de 2019

    Piada né? Um loco de serviço monopolizar o que inacreditavelmente, quebrou… espero que uma empresa gringa compre os Correios e a transforme em algo que preste.

    • Wagner
      1 de junho de 2019

      Mané isso aqui é Brasil nada funciona pode se público ou privado. Aceita que dói menos

    • Ma
      1 de junho de 2019

      Piada isso…. rindo alto

    • Gil
      2 de junho de 2019

      Espera que você tenha dinheiro para pagar muito mais caro nos seus serviços postais.

  2. Michel Pires Marques
    1 de junho de 2019

    Estatal visa desgraçar a vida do povo! Essa empresa representa a maior desgraça da nação brasileira, supera aquilo que é ruim, conseguiu estragar o siginifica da palavra desgraça. Essa estatal sem sombra de dúvidas presta o pior serviço desse país, presta também para ajudar a receita federal a roubar o povo. Os piores bandidos da nação estão inseridos numa tal de RFB como se não bastasse os impostos que pagamos todos os dias e ainda temos que pagar impostos de produtos que compramos fora do Brasil. Esse empresa teve a coragem de instituir um esquema de roubo á sociedade e o chamou de taxa de despacho postal e os parasitas do MPF aceitou isso. 95% dos funcionários dessa desgraça são parasitas, gente atoa que não serve para nada na vida! Tem que vender essa desgraça, quando digo vender é no sentido literal, vender sem ter nenhuma resposabilidade sobre funcionários e ponto final. O Estado não tem que ser dono de nada!

  3. Osvaldo Ribas
    2 de junho de 2019

    Então fica a pergunta: Pra que serve uma empresa que não visa grandes lucros? O que seria da Microsoft, Apple, Google e outras gigantes se não visassem grandes lucros? Ficou provado que o defeito da empresa tá na administração.

  4. 2 de junho de 2019

    Temos que excluir esse tipo de empresa estatal que nunca teve uma outra empresa pra ter concorrencia mesmo assim da prejuiza pro país
    Esse ptzada imbutida de funcionario tem que criar rumo vao amarrar esses burros em outro potreiro aqui nao aqui tem patriota ( Presidente Bolsonaro ) parabens presidente privatiza tudo que esta dando prejuizo…

  5. 2 de junho de 2019

    Temos que excluir esse tipo de empresa estatal que nunca teve uma outra empresa pra ter concorrencia mesmo assim da prejuiza pro país
    Esse ptzada imbutida de funcionario tem que criar rumo vao amarrar esses burros em outro potreiro aqui nao aqui tem patriota ( Presidente Bolsonaro ) parabens presidente privatiza tudo que esta dando prejuizo… se nao puder enviar minha opnião entao vc esta sendo o conceito de um Brasileiro

  6. Oyama
    2 de junho de 2019

    Não ao lucro, mas SIM ao roubo!

  7. Osmar Droppa
    2 de junho de 2019

    Revisa lá, o co-responsável pela situação do Postalis. Se,não, o próprio responsável
    pela quebra do Fundo de Pensão.
    Que usou empresa financeira sua, para captar recursos, de três grandes Fundos de Pensões.
    Para logo em seguida, declarar a falência
    da mesma, e dar calote nos Fundos de Pensões.
    Ele, o próprio MINISTRÃO, Paulo Guedes.
    Que está respondendo juridicamente por suspeita de operações fraudulentas.
    Tudo leva á crêr, que é algo planejado, para destuir de vez, as empresas estatais.

    • reinaldo
      3 de junho de 2019

      Foi durante a gestão do Cunha/PT/PMDB que aconteceu o rombo na estatal, seja por má gestão ou corrupção deliberada, então esse governo não tem qualquer responsabilidade no que aconteceu aos correios

      Assim como a Petrobrás, furnas e energia e muitas outras estatais estratégicas foram assaltadas conforme se confirmou na lava jato com um rombo de 50 bilhões isso que nem falamos da lava a jato das empresas, o Brasil assim como as estatais foram roubadas…

  8. reinaldo
    3 de junho de 2019

    Essa afirmação do presidente dos correios o senhor Juarez Aparecido Cunha tenta descaracterizar o papel da empresa estatal ao justificar que ao prestar um serviço social isso justificaria um prejuízo já que haveria um suposto bem comum ao serviço prestado a nação… Porém essa afirmação se torna injustificável, hoje a maior troca de mensagens passou a ser digital aquela carta social é muito pouco utilizada, com aplicativos de mensagens e afins, o maior serviço dos correios é a circulação de mercadorias, fica difícil explicar quem paga o prejuízo da empresa já que a estrutura montada não é gratuita, há vencimentos e obrigações contratuais, se a função da estatal não fosse dar lucro por que haveria um monopólio? Contraditório…

    Já sobre a circulação de mercadorias isso está ligado a outras áreas, infraestrutura, qualidade e quantidade de estradas e modais de transporte, hoje predominantemente rodoviário, e da segurança pública que inexiste… Quem vier a desbravar esse mercado vai precisar gastar com segurança particular e métodos mas eficazes de segurança de mercadorias além do dinamismo na entrega.

  9. JA
    6 de junho de 2019

    Pessoas sem fundamentos dão opiniões sem qualidade e conteúdo convincente. É preciso ter conhecimento e estudar sobre o assunto para dar uma opinião plausível.

  10. Eduardo
    10 de junho de 2019

    Povo Brasileiro é burro mesmo, entra um politico sai outro e fica tudo igual escolhem um bode espiatório para desviar a atençao e o povo compra a idéia, dessa vez são os Correios . Pensa o Brasil é o pais que mais arrecada imposto no planeta, suga o cidadão até o osso e vive quebrado, alguma coisa está muito errada.