Presidente da Telefônica Vivo alerta que leilão arrecadatório adia implantação de rede de telecom


O presidente do grupo Telefônica Vivo, Antonio Carlos Valente, afirmou hoje que a Europa, ao fazer o leilão de frequência de 3G somente com o intuito de arrecadação, como ocorreu no final do século XX, acabou atrasando a implantação das redes de comunicação de dados naquele continente. O executivo, que ainda disse estar analisando o edital de venda do leilão de 700 MHz, lançado para consulta pública pela Anatel, fez esta observação ao ser indagado pelos jornalistas sobre o que ele achava da intenção do governo de querer arrecadar R$ 7,5 bilhões com a venda das licenças.

Para o executivo, ainda existem muitas dúvidas em relação às regras do leilão, que só serão conhecidas quando da publicação definitiva do edital. Ele lembrou que mesmo o preço mínimo ainda gera dúvidas, visto que, ontem em entrevista do ministro Paulo Bernardo, alguns jornais publicaram que esta cifra estaria incluindo os recursos para o ressarcimento dos radiodifusores. O ministro, no entanto, afirmou que a arrecadação prevista pelo Ministério da Fazenda é de no mínimo R$ 7,5 bilhões e que as operadoras terão também obrigações de ressarcir os radiodifusores, cujos valores estarão também expressos no edital. “Faz toda a diferença do mundo saber se neste valor estará ou não incluído o preço do ressarcimento”. Fontes do MiniCom confirmaram ao Tele.Síntese que de fato, a expectativa do governo é arrecadar entre R$ 6 a R$ 8,5 bilhões, além do pagamento a ser feito aos radiodifusores.

Valente não quis comentar, no entanto, qual a sua visão sobre o mercado brasileiro de celular no que se refere ao ingresso de mais um competidor. Assinalou que a frequência é um bem fundamental para a sociedade, e lembrou que na última licitação, de 2,5 GHz, a União arrecadou R$ 3 bilhões vendendo um espectro maior – de 20 MHz -. Neste leilão a Anatel vai vender quatro blocos de 10 MHz.

Financiamento

Valente elogiou também a intenção de o  governo  buscar novos financiamentos para a ampliação da infraestrutura, conforme anunciado ontem por Paulo Bernardo, mas observou que são necessários diferentes estímulos, visto que as operadoras – umas mais, outro menos-  estão  com altos níveis de endividamento. E elogiou a redução do Fistel no chip M2M, mas acha que novas medidas podem ser tomadas, visto que os custos do setor estão proibitivos.

Anterior PT teve perdas de 15 milhões de euros no trimestre
Próximos Em 2015, Brasil terá saída para dados pelo Pacífico